D. IOAÕ DE CASTRO filho natural de D. Alvaro de Castro Senhor de Penedono Embaxador a França Roma, Castella, e Saboya, Vedor da Fazenda delRey D. Sebastiaõ, e Neto do inclito Heroe D. Ioaõ de Castro de quem se fez a precedente memoria. A perspicaz intelligencia, de que o dotou a natureza para a cultura das sciencias o impellio a frequentar a Universidade de Evora em o anno de 1568. onde assistindolhe o Cardial D. Henrique com tudo, que era necessario para o decoro da sua pessoa, e vendo o aplauzo, com que recebera o grao de Mestre em Artes o proveo em hum Canonicato da Collegiada de Valença do Minho, que naõ aceitou, e em hum beneficio simplez em S. Giaõ da Sylva termo da dita Villa. Ao tempo que continuava o estudo da Theologia o interrompeo com a fatal jornada de Africa em o anno de 1578. em que depois de mostrar os alentados espiritos com que se animava o seu Coraçaõ ficou cativo com setenta, e nove Fidalgos companheiros da sua infelicidade. Restituido à liberdade como sempre fosse fiel para os Princepes naturaes ouvindo que na Villa de Santarem se aclamara a 24 de Iulho de 1580. Soberano desta Monarchia ao Senhor D. Antonio filho do Serenissimo Infante D. Luiz passou a Lisboa com alguns soldados sequazes da sua heroica resoluçaõ, e na batalha de Alcantara suburbio daquella Cidade sendo derrotado o exercito Portuguez pello Duque de Alva se salvou com o Senhor D. Antonio acompanhando-o com summa fidelidade, e igual desinteresse, já alistando com o posto de Coronel gente em a Villa de Barcellos, e na Ilha Terceira para a meditada conquista da Madeira; já dispondo com a madureza do seu juizo as emprezas conducentes para conseguir a Coroa de seus Avòs usurpada pela violencia Castelhana. Naõ se extinguio em o seu peito com a morte do Senhor D. Antonio sucedida em Pariz a 26. de Agosto de 1595. o ardente zelo para com a sua Patria pois chegando à sua noticia em o anno de 1598. que ElRey D. Sebastiaõ, ou quem afectava a sua Pessoa, estava prezo em Veneza passou de Pariz em 14. de Iulho de 1600. àquella Cidade onde reprezentou ao Senado com expressoens revestidas da mais zelosa fidelidade a injusta açaõ de ter recluso em o carcere quem fora adorado no trono. Movido o Senado com as instancias que se lhe faziaõ de diversas partes para a liberdade do prezo concedeo que sahindo do carcere se naõ demorasse em Veneza mais que o espaço de tres dias. Foy inexplicavel o jubilo, que concebeo o seu Coraçaõ quando vio restituido à liberdade aquelle Principe, que com profunda veneraçaõ reconheceo por seu Soberano como largamente descreve na Vida que compoz deste Monarcha cap. 19. Foy muito intelligente, e practico nas linguas Latina, Franceza, e Italiana, e naõ menos versado na Historia Sagrada, e profana. Discorreo pelas principaes Cidades de Italia, e por duas vezes assistio em Olanda, e Inglaterra até que fez a sua fixa habitaçaõ em a Corte de Pariz onde vivia em o anno de 1623. tolerando a infausta fortuna que sempre o acompanhou, certamente indigna do seu illustre nacimento e perspicaz juizo. Delle fazem mençaõ Caramuel Philip. Prud. lib. 5. in Proaem. Spener. Opus Herald. Part. 1. lib. 1. cap. 22. pag. 287. Compoz.

Discurso da Vida do sempre bem vindo, e apparecido Rey D. Sebastiaõ nosso Senhor o Encuberto desde seu nacimento tè o prezente derigida aos tres Estados do Reyno. Pariz por Martim Verac. 1602. 8.

Ajunta do Discurso precedente aos mesmos Estados em a qual se adverte de como ElRey de Espanha se ouve com ElRey D. Sebastiaõ depois, que o teve em seu poder. 1602. 8.

Reposta, que os tres Estados do Reyno de Portugal a sua Nobreza, Clerezia, e Povo mandaraõ a D. Ioaõ de Castro sobre hum Discurso, que lhes derigio sobre a vinda, e apparecimento delRey D. Sebastiaõ. 1603. 8.

Paraphrase, e concordancia de algumas Prophecias do Bandarra Sapateiro de Trancoso. 1603. 8.

Estas tres obras suposto que naõ tem lugar da impressaõ, certamente se conhece pelo caracter da letra que foraõ impressas em Pariz onde seu Author assistia.

Obras. M. S.

Discurso derigido a ElRey D. Sebastiaõ. Escrito a 25. de Iulho de 1588. Começa. Que maravilha he em anno taõ profetizado. &c.

De quinta, & ultima Monarchia futura, rebusque admirandis nostri temporis. 4. Composta em o anno de 1597.

Remonstrança feita de novo aos Illustrissimos Senhores do Conselho de Estado, e privado delRey Christianissimo, e suscitaçaõ da Causa, e dos acontecimentos admiraveis do Serenissimo Rey de Portugal D. Sebastiaõ primeiro do Nome. 4. Escrita em 1603.

Discurso a ElRey D. Sebastiaõ. Escrito em Pariz a 18 de Agosto de 1604.

Aurora. Consta esta obra de diversas Profecias interpretadas em obzequio delRey D. Sebastiaõ, e comprehende 67 cadernos de dez folhas cada hum. Foy composta em Pariz, e acabada em 28 de Abril de 1605. com estas palavras. Aqui demos fim a esta obra na qual poderamos trazer muita outra requissima pedraria de Prophecias, se naõ ouveramos medo, que alguns dos Leytores se enfadassem a qual naõ farà falta pera o conhecimento, e clareza intellectual dessas admiraveis maravilhas, que estaõ por vir, cujo começo esperamos por horas: pois as que allegamos nesta Aurora saõ taõ grandes taõ claras, e tantas, que somente o dia do cumprimento dellas pode ser mais claro, e mais fermoso. Eu puz as Prophecias na mayor pureza, que pude, mas naõ todas em seu natural, e naquella innocencia, e virtude sua, como foraõ profetizadas por cauza da corruçaõ dos exemplares, e do defeito da impressaõ antiga. Se ao diante sairem os seus Originaes authenticos em sua inteireza someto a elles a correiçaõ dos erros que aqui forem: naõ se botando por isso a ninguem o gosto do que achar puramente referido.

Tratado sobre o Profeta Daniel. Composto em 3 de Iulho de 1613.

Selva sobre a Paraphrase do Bandarra. Composta em Pariz a 30 de Agosto de 1614. Consta de 19. Capitulos começa. Ainda, que tarde me acordei. &c. 4.

O Antichristo, ou Profecias, e Revelaçoens sobre elle ordenadas. Consta de 62 cadernos de sinco folhas, a qual obra principiou em Pariz a 20 de Iulho de 1615, e foy acabada a 17 de Novembro de 1616. Começa. Depois que me comecei a dar ás Profecias, e revelaçoens annunciadoras das maravilhas dos nossos tempos. &c.

Ornamento, honra, e gloria de quatro Ordens de que profetizou o Ven. Abbade Ioachim em testemunho, e trofeos dos illustres merecimentos dellas, e delle. Composto em Pariz a 7 de Abril de 1617. Começa. Entre as muitas Ordens. &c.

Avisos divinos, e humanos para os memorandos Conquistadores da Terra da Promissaõ dos nossos tempos que he de todo o Universo. Consta de 4 livros que comprehendem 13 cadernos composto em Pariz a 23 de Setembro de 1617. Começa. Naõ ha cousa nesta Vida taõ natural, e cummua a todos os homens &c.

Novas flores sobre a Parafrase do Bandarra com algumas retractaçoens. Escrito em Pariz a 19 de Novembro de 1617.

Payneis divinos onde se reprezentaõ algumas das grandes merces que Deos tem prometidas ao seu Povo Ocidental da Igreja Romana com algumas particularidades jà feitas por elle aos Reys de Portugal, e aos Portuguezes. Consta de 5 livros que comprehendem 58 Capitulos. Composto em Pariz a 11 de Outubro de 1621. Começa. Temos já apregoadas tantas, e tamanhas Misericordias. &c.

Do Ternario, Senario, e Novenario dos Portuguezes, que em Veneza solicitaraõ a liberdade delRey D. Sebastiaõ Nosso Senhor com mais huma breve mençaõ do Senhor D. Antonio Repartido em 5 livros que comprehendem 29 Cadernos. Composto em Pariz a 3 de Mayo de 1623.

Genealogia dos Reys de Portugal desde D. Affonso Henriquez até D. Sebastiaõ Escrita em Francez, e consta de muitos cadernos que fazem dous tomos de 4. de justa grandeza.

O segundo apparecimento delRey D. Sebastiaõ Nosso Senhor desaseisto Rey de Portugal com a repetiçaõ summaria do primeiro, e de toda a sua vida. Dirigido aos Tres Estados do Reyno a saber ao da Cleresia, ao da Nobreza, e ao do Povo. 4. Consta de 20 Capitulos largos. Começa. Dous ditos há muy celebres. &c.

Tratado Apologetico contra hum libello diffamatorio que imprimiraõ em França certos Portuguezes com o titulo seguinte. Resposta, que os Tres Estados do Reyno de Portugal a saber Nobreza, Clerezia, e Povo mandaraõ a D. Ioaõ de Castro sobre hum livro, que lhes dirigio sobre a vinda, e apparecimento delRey D. Sebastiaõ. 4. Começa. Achando-me na Corte de Hespanha em companhia, e conversaçaõ dalguns Senhores Portuguezes afeiçoados à Patria &c.

Tratado sobre alguns Passos do Apocalypse. 4.

Das Fundaçoens da B. Tareja de Jezus. 4.

Advertencias ao Discurso da vida de D. Sebastiaõ, e da Ajunta do Discurso aos Tres Estados do Reyno. 4.

Notaçoens da Historia Geral de Espanha composta em Castelhano por Ioaõ de Mariana da Companhia de JESUS. 4.

Juramento delRey D. Affonso Henriques traduzido na lingua Franceza. 4.

Todas estas obras escritas pela propria maõ do Author, e firmadas com o seu sinal se conservaõ na selectissima Livraria de meu Irmaõ D. Iozè Barboza Clerigo Regular Chronista da Serenissima Caza de Bragança, e Censor da Academia Real onde as examinamos com summa aplicaçaõ, e certamente muitas dellas saõ merecedoras da luz publica.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]