IOAÕ por Origem Godo, e por nacimento Portuguez famoso Prelado que floreceo em Hespanha no Seculo sexto teve por berço a nobre Villa de Santarem eternamente gloriosa pela produçaõ de taõ grande filho. Anhelando na idade da Adolescencia colher os sazonados frutos das sciencias sagradas, e profanas deixada a Patria passou a Constantinopla cabeça do Imperio Oriental, emporio naquelle tempo de todas as Faculdades scientificas, e pelo espaço de desasete annos as cultivou com tanto disvelo, que sahio perfeitamente consumado em todo o genero de erudiçaõ Latina, e Grega, intelligencia da Sagrada Escritura, e Liçaõ dos Santos Padres. Restituido a Espanha governava o Imperio Gothico Leovegildo acerrimo sequaz da seyta Arriana contra o qual se oppoz com apostolico zelo mostrando evidentemente a falsidade em que se estabeleciaõ os detestaveis erros daquelle impio Heresiarcha, de cujo pestifero veneno estava inficionada grande parte de Hespanha. Conhecendo Leovigildo a fatal guerra, que este insigne varaõ publicara contra os erros de Arrio de que se seguiaõ gloriosos triumfos aos dogmas Catholicos, tentou a sua constancia com generosas  promessas, e com severos castigos para que desistisse da oposiçaõ, que fazia ao Arrianismo, porem como experimentasse, que nem a brandura, e menos o rigor lhe faziaõ a mais leve impressaõ no seu heroico peito, o desterrou para Barcelona onde pelo espaço de dez annos tolerou com animo imperturbavel gravissimas molestias cauzadas pelo odio dos Arrianistas. Entre o pelago de tantas tribulaçoens emprendeu o seu espirito buscar porto tranquillo para a sua contemplaçaõ fundando o celebre Mosteiro de Valclara situado no Principado de Catalunha nas raizes dos Montes Pirineos duas legoas distante do illustre lugar de Mon-Blanch no qual plantou a vida Monastica, e lhe escreveo para os seus habitadores sanctissimas Constituiçoens. Ao tempo, que louvavelmente exercitava o ministerio de Abbade sucedeo, que por morte de Leovigildo cingisse a Coroa Gothica seu filho Recaredo, e como fosse observantissimo professor da Religiaõ Catholica querendo premiar os seus merecimentos o nomeou Bispo de Girona em cuja dignidade manifestou em varios Concilios celebrados em Espanha onde assistio, o abrazado zelo de seu Coraçaõ em promover os augmentos da verdadeira Religiaõ, e extirpar as reliquias da zizania do Arrianismo. Cumulado de obras heroicas recebeo o premio a ellas devido a 6 de Mayo de 621. como escreve Nicol. Ant. Bib. Vet. lib. 4. cap. 5. §. 112. e naõ em 631. como quer Ioaõ Tamayo Salazar Martyrol. Hisp. Tom. 3. pag. 86. fundado nas Actas, que deste insigne Varaõ compoz Garcia de Loaysa extrahidas de varios M. S. que merecem pouca fe pelas muitas incoherencias que nellas se observaõ, cuja opiniaõ seguio o Licenciado Iorge Cardozo Agiol. Lusit. Tom. 3. pag. 102. no Comment. de 6 de Mayo letr. B. Basta para eterna gloria deste insigne Prelado ser seu Panegerista o clarissimo Arcebispo de Sevilha Santo Isidoro do Script. Eccles. cap. 21. de quem beberaõ todos as noticias das suas virtuosas açoens, que louvaõ com diversos Elogios como saõ Trith. de Vir. Illustr. D. Bened. lib. 4. cap. 10. Morales Hist. de Espanha liv. 12. cap. 18. Fr. Ant. Yepes Chron. de S. Bent. Tom. I. Cent. 2. an. 599. Padilla Hist. Eccles. de Esp. Tom. 2. Cent. 5. cap. 70. Vasconcellos Descript. Regn. Portug. fol. 521 . n. 5 . Illustrissimo Cunha Hist. Eccles. de Lisboa. Part. I . cap. 21. Scoto Bib. Hisp. fol. 479. Sabel. Aeneid. 2. lib. 6. Diag. Hist. de Barcel. liv. 1. cap. 15 . e liv. 2. cap. 21. Possevino Apparat. Sacer pag. 191. Brito Mon. Lusit. Part. 2. liv. 6. cap. 17. Fr. Leaõ de S. Thom. Bened. Lusit. Tom. 1. Trat. 2. pag. 5. cap. 32. Mariana Hist. de Espan. liv. 5. cap. 13. e 15. Garibay Compend. Histor. de Espan. liv. 8. cap. 14. Marieta Cathal. dos Sant. de Espan. liv. 5. cap. 37. Escolano Hist. De Valenc. Part. 1. liv. 2. cap. II. Lober. Grandez. de Leaõ Part. 2. cap. 1 . fol. 167. Sampayo de Convers. Aegidian. lib. 1. fol. 2 V.° D. Nicol. de S. Maria Chron. Dos Coneg. Reg. liv. 4. cap. 1. n.15 Sandoval Antiguidad. de Tuy. fol. 31 Ioan. Soar. de Brito Theatr. Lusit. Litter. lit. 1 n. 21. Natal. Alexand. Hist. Ecclesiast. Saecul. 6. cap. 4. art. 15. Vasconcellos Hist. de Sant. Edificad. liv. 2. cap. 27. Gravesson Hist. Eccles. Tom. 2. pag. mihi 82. col.1. Escreveo.

Regula Monachorum in Biclarensi Caenobio degentium. M. S.

Chronicon. He huma breve Chronologia Historica desde o anno 567. até 589.  que principia no primeiro anno do Reynado de Iustino o moço, e acaba no outavo anno de Mauricio Principe dos Romanos, e o quarto anno delRey Recaredo, a qual obra foy escrita conforme diz Santo Isidoro, Historico, compositoque sermone, e Fr. Bernardo de Brito Monarch. Lusit. Part. 2. lib. 6. cap. 17 guardando na ordem, e estilo de Historia tudo aquillo, que convem a hum perfeito Chronista. O P. Andre Scoto da Companhia de Iesus foy o primeiro q extrahindo da Bibliotheca da Cathedral de Toledo huma copia desta obra a communicou a Marcos Velsero Senador da Republica de Augusta, cujo exemplar fez publico pelo beneficio da impressaõ Henrique Canisio Professor dos Sagrados Canones na Universidade de Ingolstadio in Antiquar. Lectionum. Ingolstadii. 1600. 4. Segunda vez foy publicada por Francisco Scoto Iurisconsulto irmaõ do P. Andre Scoto em o 4. Tom. Hisp. Illustrat. p. 134. Francofurti apud Claudium Marnium 1608. fol. e na Collect. Concil. Hisp. do Cardial de Aguirre. Tom. 2. p. 421. Ioaõ Gerardo Vossio da Histor. Latin. lib. 2. cap. 23. confundio esta Chronica de Ioaõ de Valclara com o Paralipomenon Hispaniae Ioannis Gerundensis sendo este muito diverso daquelle.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]