D. IOAÕ DE ALMEYDA, E PORTUGAL, segundo Conde do Assumar, Conselheiro de Estado, Gentilhomem da Camara de Sua Magestade naceo em Lisboa a 26 de Ianeiro de 1663. sendo filho de D. Pedro de Almeyda I. Conde do Assumar, Deputado da Iunta dos tres Estados, Vedor da Caza delRey D. Affonfo VI. Vicerey do Estado da India, Conselheiro de Estado, e de D. Margarida de Noronha filha de D. Fernando Mascarenhas I. Conde da Torre, e de D. Maria de Noronha filha de D. Luiz Lobo da Sylveira Senhor de Sarzedas, e D. Ioanna de Lima. Aprendeo nos primeiros annos as linguas Latina, Italiana, Espanhola, e Franceza, e se fez pratico na Geometria, e Geografia como tambem na liçaõ da Historia antigua, e moderna. Nomeado seu Pay Vicerey do Estado da India o acompanhou, e depois de vencida taõ larga navegaçaõ chegou a Goa a 28 de Outubro de 1677. onde com o posto de Capitaõ da Infantaria, e de Capitaõ de mar, e guerra deu do seu valor heroicos argumentos. Restituido a Portugal servio por ordem delRey D. Pedro II. o Officio de Vedor da Caza Real, que fora de seu Pay, e com esta ocupaçaõ navegou para Villafranca de Niza na soberba armada que havia ser conductora do Duque de Saboya Victorio Amadeo futuro Espozo da Serenissima Senhora Princeza D. Izabel Luiza Iosefa, e no tempo que naquelle porto esteve ancorada a armada examinou com os olhos muitas Praças do Piamonte, e Monferrato, e a populosa Cidade de Milaõ admirando com judiciosa curiosidade os vestigios das Antiguidades Romanas. Havendo segunda vez voltado à patria foy feito Deputado da Iunta dos Tres Estados em cujo lugar se admirou a sua militar vigilancia para as preparaçoens da guerra, que Portugal declarara contra Castella. Sendo reconhecido por sucessor da Coroa de Espanha o Archiduque Carlos, e dezembarcando em Lisboa a 9 de Março de 1704. Foy nomeado Embaxador Extraordinario a este Principe quando assistio em Catalunha por carta delRey D. Pedro II. de 14 de Iulho 582 de 1705 mostrando nesta incumbencia as maximas da sua profunda politica em obzequio do seu Soberano. Por morte de Iulio de Mello de Castro foy uniformemente eleito Academico da Academia Real da Historia Portugueza a 4 de Março de 1721. sendo o primeiro que com huma elegante Oraçaõ congratulou a Academia pela sua eleyçaõ. Falleceo a 26 de Dezembro de 1733. quando contava 70 annos, e 2 mezes de idade. Iaz sepultado na Capella de N. Senhora do Egypto no Claustro do Convento da Santissima Trindade desta Corte religioso depozito dos seus Mayores. Foy cazado com D. Izabel de Castro filha dos Marquezes da Fronteira D. Ioaõ Mascarenhas, e D. Margarida de Castro de quem teve numerosa descendencia, que illustrou igualmente a Palestra de Marte, que de Minerva. Compoz com estilo grave.

Practica recitada na Academia Real na ocasiaõ de ser admitido por seu Collega. Sahio no Tom. 1. da Collec. dos Docum. da Academia Real. Lisboa por Paschoal da Sylva Impressor de Sua Magestade 1721. fol.

Conta dos seus estudos Academicos em 7 de Fevereiro de 1726. No Tom. 6 da Collec. dos Docum. da Acad. Real. Lisboa por Iozé Antonio da Sylva. 1726. fol.

Conta dos seus estudos Academicos no Paço a 7 de Setembro de 1733. No Tom. 12 da Collec. dos Docum. da Acad. Real. Lisboa pelo dito Impressor. 1733. fol.

Votos em a Iunta dos Tres Estados fol. M. S.

Votos do Conselho de Estado. fol. M. S.

Cartas da Embaxada de Catalunha. 16 vol. fol.

Cartas particulares escritas da sua propria maõ 8. Vol. fol. M. S.

Diario desde 28 de Iulho de 1705. até 8 de Agosto de 1708. em que se comprehendem os Sucessos de Catalunha, e de toda a Europa. 4. Tom. fol. M. S.

Todas estas obras se conservaõ com a devida estimaçaõ em a sua Excellentissima Caza.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]