IGNACIO FERREYRA LEYTAM. Cavalleiro professo da Ordem de S. Tiago, Fidalgo da Caza Real naceo na Villa de Fonte Arcada em a Provincia da Beyra de Pays nobres quaes eraõ Pedro Simaõ Ferreira Amado, e Genebra Lopes Leytaõ. Resoluto a seguir as armas deixou a caza paterna, e chegando a Lisboa mudou o nome para naõ ser conhecido, e estando já embarcado em huma Galè, que com outras partia para Cadiz, foy descuberto por seu Tio, que com anciosa deligencia o buscava. Restituido involuntariamente à caza donde fogira foy mandado estudar na Universidade de Coimbra onde foraõ tantos os progressos que o seu grande engenho fez na Faculdade da Iurisprudencia Cesarea, que recebido o grao de Doutor mereceo ser admetido a Collegial do Real Collegio de S. Paulo a 6 de Agosto de 1679. Ocupou os mayores lugares de que eraõ dignas as suas letras como foraõ Dezembargador do Porto, e da Caza da Suplicaçaõ de que tomou posse a 29 de Abril de 1595. Dezembargador dos Aggravos a 19 de Novembro de 1598. Deputado da Meza da Conciencia a 19 de Fevereiro de 1603. Chanceller das Tres Ordens Militares, Vizitador dos Hospitaes das Caldas, de Santarem, e das Mercieiras de Obidos, Chanceller mór do Reyno, e Dezembargador do Paço. Observou rectamente a justiça inclinando-se mais por genio, que afectaçaõ a milhor parte. Era benefico para quem lhe fazia aggravos antepondo os preceitos do Evangelho aos dictames do Mundo. Nunca condenou reo ao ultimo suplicio antes com o seu voto salvou a dous Cossarios Inglezes que reduzio à verdadeira Religiaõ, e a hum delles sustentou à sua custa na Galé pelo espaço da sua vida. Esta charitativa comiseraçaõ se extendia com mayor excesso  aos pobres a quem o pejo lhes fechava a boca para solicitar o seu remedio. Castigava o corpo com severidade, frequentava os Sacramentos com ternura. Ambicioso de mayor perfeiçaõ pertendeo com repitidas instancias professar os austeros institutos dos Carmelitas Descalços, e Religiosos Arrabidos porèm naõ permitio Deos que conseguisse o fim dezejado de taõ santos intentos. Cumulado de obras meritorias depois de receber devotamente os Sacramentos expirou a 9 de Abril de 1629. Iaz sepultado na Capella de S. Iozè do Convento de Nossa Senhora dos Remedios de Lisboa de Carmelitas Descalços. Foy cazado com D. Paula de Sá filha de Gomes Correa de Lacerda, e D. Ignez de Sá, e Menezes de cujo consorcio naceo para eterno brazaõ da sua memoria a celebre heroina D. Bernarda Ferreira de Lacerda elegantissima Musa do Parnasso Portuguez da qual tivemos larga, e merecida mençaõ em seu lugar, e delle a fazem Fr. Belchior de Santa Anna Chron. de Carm. Descals. do Reyno de Portug. Tom. 1. liv. 2. cap. 55. n. 590. Cardoso Agiol. Lusit. Tom. 2. pag. 487. e no Commentario de 9 de Abril letr. H. e meu Irmaõ D. Iozè Barbosa Mem. do Colleg. Real de S. Paulo. p. 95 e no Archiath. Lusitan. pag. 20. descreve com metrica elegancia as principaes açoens deste insigne Varaõ, cantando.

Doctus erit Ferreira rapi quem cerno juventà

Cum prima incipiet lanugine tingere malas,

Numinis ardenti studio quod praesidet armis.

Ergo paterna vide fugitivum linquere tecta,

Quaerere que horrificum juvenili pectore Martem.

Non dabitur sera castra sequi Bellona Minervae

Cedet, & insigni concedet Laurea linguae

Otia nulla pati, dubias dissoluere lites

Rara erit egregio, praeclaraque Iudice virtus.

Ambitio quae corda solet torquere superbum

Nesciet Ignati generosum tundere pectus.

Sola repugnantem poterunt mandata Philippi.

Flectere, & antiquum penitus servare tenorem.

At jam justa senex capiet fastidia cautus;

Curis taedebit secli consumere vitam:

Virginis arcta petet sacratae claustra Teresae,

Sed frustra; Divum florent ubicumque Coronae.

Óquantos miserans pietate levabit egenos!

Condiet ipse dapes, obsonia lauta parabit,

Optima queis, poterunt adipisci praemia caeli

Illustris factis superas ascendet ad auras;

Non tamen occumbet, proles pia facta per aevum

Servabit dilecta Patris ter magna Lacerda,

Castalio quae fonte bibens numerosa fluenta

Incolet excelsi frondosa cacumina Pindi.

Compoz.

Practica a ElRey Filippe III. Nosso Senhor na entrada que fez em Lisboa dia de S. Pedro do anno de 1619. Lisboa por Pedro Crasbeeck. 1619. fol. e na Viag. De la Cathol. Real. Magestad delRey D. Filippe Nosso Senhor al Reyno de Portugal por Iuan Baptista Lavanha. Madrid por Thomas Iunti Impressor delRey Nosso Senhor 1622. fol. a fol. 32.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]