Fr. IERONIMO DE ABREU Naceo em a Villa de Veyros do Bispado de Elvas, e foy bautizado a 28 de Fevereiro de 1617. Seus Pays Belchior Mendes de Abreu, e Anna Ferreira de Abreu por serem abundantes dos bens da fortuna dispenderaõ largamente para a construçaõ da Igreja do Convento de N. Senhora de Iefus desta Corte habitado pelos Religiosos Terceiros da Serafica Ordem da Penitencia, e em gratificaçaõ da sua religiosa liberalidade lhe aceitaraõ dous filhos sendo hum delles Fr. Jeronimo, que professou a 13 de Novembro de 1634. Aprendeo Filofosia no Convento de Caria, e Theologia no Collegio de Santa Catherina fora dos muros da Villa de Santarem, e sahio taõ douto nestas Faculdades, que as dictou aos seus domesticos no Convento do Mogadouro, Collegio de Coimbra, e Convento de Lisboa até que jubilou em 28 de Julho de 1663. Foy Reytor do Collegio de S. Pedro de Coimbra, Definidor, e ultimamente Ministro Provincial eleito a 25 de Março de 1669. Entre os Estatutos, que ordenou para augmento da observancia regular, e progresso das letras sagradas foy dar faculdade aos subditos para que recebessem o grao de Doutores em a Universidade de Coimbra. No Capitulo Geral da Religiaõ Serafica celebrado em Valhadolid a 24 de Junho de 1670. em que assistio, alcançou, que a Provincia de Portugal da Ordem Terceira tivesse hum Definidor Geral como logravaõ as Provincias de França, e Castella. Restituido ao Reyno pouco tempo passou, que naõ enfermasse mortalmente, fallecendo com eterna saudade dos seus subditos no Convento de Lisboa a 22 de Novembro de 1670 quando contava hum anno, e outo mezes de Provincial 53. de idade, e de Religiaõ 36. Foy Examinador das Ordens militares, Pregador de grande nome, naturalmente afavel, e profundamente instruido em as sciencias especulativas por cujas qualidades conciliou as estimaçoens das primeiras Pessoas da Corte distinguindo-se entre todas o Serenissimo Principe Regente D. Pedro. Compoz.

Estatutos para as Religiosas dos Mosteiros da Madre de Deos do sitio de Sá junto à Villa de Aveyro, de N. Senhora do Loureto da Villa de AImeyda sogeitas à obediencia do Provincial da Terceira Ordem de S. Francisco. Impressas no anno de 1669. 4. sem lugar da Impressaõ, e nome do Impressor.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]