Fr. IACOME PEREGRINO natural de Lisboa, ou do lugar de Oeiras distante desta Cidade tres legoas para o Poente. Foy filho de Gaspar de Gamboa Cavalleiro professo da Ordem de Christo, e D. Joanna Manoel. Instruido nas letras humanas quando contava desaseis annos de idade frequentou a Universidade de Coimbra aplicado ao estudo da Jurisprudencia Canonica onde pela agudeza do engenho, felicidade da memoria, e gentileza do aspecto conciliou universaes estimaçoens. Acabada a carreira dos estudos Academicos se recolheo a caza de seus Pays, que conhecendo o progresso que fizera nas letras determináraõ, que pertende-se os lugares dignos da sua pessoa, e sciencia porem atrahido da exemplar vida de seu Tio Fr. Jacome Peregrino primeiro Provincial da Serafica Provincia da Arrabida deixou resolutamete a caza paterna, e todas as esperanças com que o lizongeava o seculo, e recebeo o habito desta penitente Familia no Convento de S. Jozeph de Ribamar querendo naõ somente ser fiel imitador das virtudes, mas ainda do nome de seu Veneravel Tio. Tal foy a exaçaõ com que practicou as obrigaçoens do seu instituto, que naõ contando mais que onze annos de professo foy eleito Guardiaõ do Convento onde foy Noviço, e crecendo com a idade o merecimento duas vezes foy Provincial; a primeira no anno de 1619. e a segunda em o de 1633. e Vizitador das Provincias de Santo Antonio, e Soledade. Com igual aplauzo, que fruto de numerosos auditorios exercitou o ministerio de Orador Evangelico pelo espaço de quarenta e cinco annos em a Corte de Lisboa, e Cidade de Salamanca. Estando assistindo a 18 de Novembro. 1648. às Exequias da Excellentissima Marqueza de Gouvea D. Maria Pereira Pimentel, que se celebravaõ na Cathedral de Lisboa foy acometido de hum accidente apopletico, que o privou da vida quando contava 78. annos de idade, e 55 de Religiaõ. Foy levado ao Hospicio onde habitava, e jaz sepultado no Capitulo do Convento de S. Jozeph. Delle escrevem Fr. Antonio da Piedade Chron. da Prov. da Arrab. Part. 1. liv. 5. cap. 2I. §. 1190. e Fr. Jozeph de Iefus Maria Part. 2. da dita Chron. liv. 1. cap. 7. §. 50. e liv. 2. cap. 10. §. 290. e seguintes. Escreveo.

Do governo da Provincia da Arrabida, e como lhe era conveniente ter Syndico. M. S.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]