Fr. IACINTO DE S. IOZÉ natural de Villa-nova de Gaya fronteira à Cidade do Porto, e filho de Manoel Andre, e Agueda de Oliveira. Professou o Sagrado Instituto de Erimita Augustiniano no Convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa a 19 de Ianeiro de 1702. Depois de ensinar Gramatica, e letras humanas em o Convento de Villaviçosa, e Filosofia em o Collegio de Coimbra em cujos magisterios teve por discipulo a Fr. Manoel de Figueiredo Chronista da Ordem (como escreve com agradecida memoria em o Tom. 4. do Flos Sanct. August. pag. 148. n. 86.) dictou Theologia com grande aplauzo de que resultou ser admetido entre os Doutores Theologos pela Universidade de Coimbra a 4 de Abril de 1715 . Tem ocupado os lugares de Reytor do Collegio de Coimbra, e primeiro Definidor da Ordem. Igual talento teve para o pulpito como para a Cadeira sendo testemunhas do seu talento concionatorio as obras seguintes.

Panegyrico Funeral nas exequias do Excellentissimo Senhor D. Filippe Mascarenhas Conde de Coculim celebradas pela nobilissima Irmandade do Senhor dos Passos na Igreja de Nossa Senhora da Graça de Lisboa em 2 Junho de 1735. Lisboa por Iozeph Antonio da Sylva Impressor da Academia Real. 1735. 4.

Sermaõ no setimo dia do solemne Outavario com que os Religiosos da Companhia de JESUS da Caza professa de S. Roque celebraraõ a Canonizaçaõ de S. Joaõ Franciico Regis. Lisboa na Officina da Musica, e da Sagrada Religiaõ de Malta. 1739. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]