P. ANTONIO FRANCISCO CARDIM, Jesuita, natural de Vianna do Alemtejo, filho de Jorge Cordeiro Fróes, Desembargador da Casa da Supplicação. Tendo professado aos 15 annos no de 1611, partiu para a India em 1618, e discorreu muito tempo pelo imperio da China e nos reinos de Siam e Tonkin, onde converteu muitas almas á fé catholica. Veiu do Oriente a Roma, com o cargo de Procurador da sua provincia, e d’ali para Portugal, d’onde partiu novamente para Goa em 1649 a bordo da nau S. Lourenço, que naufragou na viagem, salvando‑se elle com outros companheiros. Depois de grandes trabalhos acabou seus dias em Macau a 30 d’Abril de 1659 aos 63 annos d’edade. – E.

699) (C) Elogios e Ramalhete de flores borrifado com o sangue dos Religiosos da Companhia de Jesus, a quem os Tyrannos do imperio do Japão tiraram as vidas por odio da fé catholica, com o Catalogo de todos os Religiosos e Seculares, que por odio da mesma fé foram mortos n’aquelle imperio até o anno de 1640. Lisboa, por Manuel da Silva 1650. 4.o com estampas.

Esta obra é traducção, feita pelo proprio auctor, da que escrevera em latim e publicara em Roma, durante a sua demora n’aquella cidade, com o titulo de Fasciculus á Japonicis floribus suo adhuc madenlibus sanguine. Romæ, Typis Heredum Corbelleti 1646. 4.o de VIII‑252 pag., a que se segue: Catalogus Regularium et Secularium qui in Japoniœ regnis, in odium christianœ fidei, violenta morte sublati sunt. Ibi, 1648. 4.o de 79 pag., e a este: Mors felicissima quatuor Legatorum Lusitanorum et sociorum quos Japoniœ Imperator occidit etc. Ibi, 1646. 4.o de 40 pag.: o que tudo costuma andar junto em um só volume, illustrado com uma carta topographica do Japão, 87 estampas gravadas a buril que representam os diversos martyrios dos padecentes, e outra estampa de grande formato representando a degolação apparatosa dos embaixadores e da sua comitiva.

A traducção portugueza contém todo o referido, e é adornada com as mesmas estampas. Tanto este como o original são egualmente raros, mas aquelle mais estimado dos estrangeiros. Brunet no seu Manual do Livreiro menciona um exemplar vendido por 12 francos, e diz que é susceptivel de maior preço. Em Lisboa sei de alguns que se venderam até por 1:600 réis.

O ultimo opusculo acima mencionado, que se intitula: Mors felicissima quatuor Legatorum tinha sahido anteriormente em portuguez, com o seguinte titulo:

700) (C) Relação da gloriosa morte de quatro embaixadores portuguezes da cidade de Macau, com cincoenta e sete de seus companheiros degolados pela fé em Nangasaqui a 3 de Agosto de 1640. Lisboa, por Lourenço de Anvers 1643. 4.° de 24 folhas sem numeração. Ha na livraria do Archivo Nacional um exemplar d’esta edição.

701) (C) Relação da viagem do galeão S. Lourenço, e sua perdição nos baixos de Monxicale. Lisboa, por Domingos Lopes Rosa 1651, 4.o de 27 pag. Raro. A Bibl. Nacional tem um exemplar. Esta relação em que o P. descreve os trabalhos que passou, e os mais que com elle naufragaram foi depois reproduzida na denominada Collecção dos Naufragios.

A proposito das obras do P. Cardim, é para mim de difficil explicação, como o erudito monge cisterciense Fr. Fortunato de S. Boaventura, depois Arcebispo d’Evora, havido geralmente como grande averiguador de noticias historicas e bibliographicas, e tido por insigne entre os melhores philologos do seu tempo, nem sequer suspeitasse a existencia da traducção do Fasciculus em portuguez. Que a desconheceu completamente vê‑se do seu Defensor dos Jesuitas n.° 10, impresso já em 1833, onde a pag. 39, tractando do P. Cardim diz: Oxalá que o seu livro dos Martyres Jesuitas fosse trasladado em linguagem, e impresso com as estampas das crueis mortes que padeceram estes discipulos de Jesus Christo!!» Mal sabia elle que o seu desejo estava já satisfeito 183 annos antes d’aquelle em que isto escrevia! E o que mais admira é, que sendo tão lido na Bibl. de Barbosa, nem ao menos ahi encontrasse a noticia da referida versão, que vem extensamente mencionada a pag. 279 do tomo I.

 

[Diccionario bibliographico portuguez, tomo 1]