P. FRANCISCO SALGUEIRO natural da Cidade de Tangere situada na Regiaõ de Africa donde passando com seus Pays Matheus Salgueiro, e Ignez da Costa a Portugal afeiçoado ao Instituto da Companhia de JESUS recebeo a Roupeta em o Collegio de Evora a 12. de Julho de 1676. Aprendeo as sciencias amenas, e severas em taõ douta palestra para depois as ensinar com grande applauso do seu nome de que foraõ theatros os Collegios de Angra, Evora, e Coimbra dictando letras humanas em o primeiro, Rhetorica, e Filosofia em o segundo, e Theologia, e Sagrada Escritura, em o terceiro, sendo admitido ao numero dos Doutores em a Universidade de Evora a 21. de Julho de 1704. Foy hum dos mayores Letrados do seu tempo de cuja profunda sabedoria deu claros argumentos no tempo, que exercitou o lugar de Reytor do Collegio de Santo Antaõ no anno de1719. Assistindo com fervorozo zelo na Cidade de Faro do Reyno do Algarve aos feridos de hum geral contagio falleceo entre elles como victima da charidade a 17. De Setembro de 1724. Publicou

Sermaõ das Exequias do Serenissimo Rey D. Pedro II. de gloriosa memoria, que na Sè da Cidade de Evora celebrou de Pontifical o Illustrissimo e Reverendissimo Senhor Arcebispo D. Simaõ da Gama em 21. de Janeiro de 1707. Evora na Officina da Universidade. 1707. 4.

Fazem delle memoria Franco Imag. da Virtud. do Noviciad. de Evor. pag. 864. & in Analib. S. J. in Lusit. pag. 466. Doctor Theologus praeclarissimus adversitatibus tolerandis illustre erat exemplum, charitate erga miseros, infirmos, & morientes omni maior cõmendatione. Fonsec. Evor. Glorios. pag. 431.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]