FRANCISCO DE MELLO, E CASTRO Cõmendador da Alcaydaria Ruyva da Ordem de S. Tiago. Naceo na Villa de Collares distante cinco legoas de Lisboa, Solar da sua Caza onde teve por Pays a Antonio de Mello e Castro, Capitaõ mòr das Nàos da India, e Commendador de Fornellos, e D. Mecia da Sylveira filha de Belchior Serraõ, e Catherina Pereira. Foy ornado de agudo talento para as letras, e  de valor intrepido para as armas de que foraõ theatros Asia, e America triunfando dos inimigos do Estado com prudente astucia quando era Almirante da Armada Real, e destruindo aos Olandezes na occasiaõ em que como hum dos mais celebres Aventureiros passou a libertar a Bahia no anno de 1624. em cujas heroicas emprezas alcançou eterna fama o seu nome. Foy excellente Poeta cujos versos, ou fossem serios, ou jocozos eraõ universalmente applaudidos pela natural cadencia, e summa elegancia da sua Musa. Cazou com D. Angela de Mendoça filha de Fernaõ de Mendoça, e D. Mariana de Noronha de quem teve a Antonio de Mello de Castro ViceRey do Estado da India. Compoz

Novella intitulada Brizida Nogueira. Começa. D. Francisco filho de D. Manuel. Acaba. E depois morreo na China. M. S.

Fabula do Rio das Maçans. Consta de 65. Outavas. Começa

Livre de tanto trafego, e negocio. Acaba

Mas sempre teve tudo por mentira.

Faz mençaõ deste Fidalgo o P. Antonio Carvalho da Costa Corog. Portug. Tom. 3. Trat. 1. cap. 15.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]