FRANCISCO BOTELHO DE MORAES natural da Villa da Torre de Moncorvo, e della Capitaõ mór, e Coudel mór da sua Comarca filho de Paulo Botelho de Moraes Cavalleiro da Ordem de Christo, que militou por mar, e terra em obsequio da patria, e de Izabel Coelho, filha de Bartholomeu Moreira, e de sua mulher Maria Camello Pereira. Applicouse ao estudo da Genealogia, em que fez tantos progressos, que foy estimado pela vasta noticia que alcançou naõ somente das Familias do Reyno, mas ainda dos estranhos escrevendo com summa verdade, e naõ menos indagaçaõ muitas Familias de Portugal, e com penna mais difusa.

Origem, e progressos da grande, e antiga Caza de Villaflor, e noticia das linhas Genealogicas da sua ascendencia, e descendencia, ramos collateraes, e de suas excellencias, e perrogativas, dividido em cinco partes, e offerecido a Francisco Joze de Sampayo de Mello, e Castro terceiro do nome, e Senhor das Villas, e Honras de Villaflor, Sampayo, Mós, Chacim, Frechas, Villasboas, Parada de Pinhaõ, e Bemposta, Alcayde mór da Torre de Moncorvo, Senhor dos Direitos Reaes della, e dos da Villa de Freixo de Espada na cinta. Escrito no anno de 1689.

Desta obra, como do Autor faz mençaõ o P. Souza Apparat. à Hist. Geneal. da Caz. Real. Portug. pag. 165. §. 203. Instituio hum Morgado com obrigaçaõ de uzarem os seus administradores do apellido de Botelho. Cazou com D. Brites de Vasconcellos  Saraiva, filha de Antonio do Amaral, Capitaõ mòr da Villa de Freixo de Nemaõ, e de sua mulher D. Brites de Vasconcellos Sarayva, de quem teve ao Doutor Alexandre Botelho de Moraes, Dezembargador dos Aggravos na Caza da Supplicaçaõ, Paulo Botelho de Moraes, que o imitou no estudo Genealogico.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]