D. Fr. IOAÕ SOARES chamado no seculo Ioaõ Soares de Urró teve por Pays a Diogo Diaz de Urró, e a Luciana de Alcantara de igual nobreza à de seu consorte, e por patria a freguesia de S. Miguel de Urró situada em o Conselho de Penafiel de Souza do Bispado do Porto annexa ao Mosteiro de S. Pedro de Cete dos Erimitas de Santo Agostinho cujo sagrado instituto abraçou em Salamanca a 11 de Abril de 1523. quando contava 16 annos de idade para onde o levara o dezejo de aprender as sciencias escholasticas na sua celebre Universidade sendo tal o progresso que fez neste genero de estudos que com aclamaçaõ de todos os Cathedraticos foy laureado com as insignias doutoraes em o anno de 1529. Incorporado em a Provincia de Portugal com faculdade do Geral da Familia Erimitica passada a 17 de Ianeiro de 1536. conciliou de tal modo o afecto delRey D. Ioaõ o III. que em atençaõ aos seus grandes merecimentos o nomeou seu Confessor, Pregador Esmoler, e Mestre de seus filhos os Principes D. Filippe, e D. Ioaõ. Depois de exercitar estes honorificos lugares com geral aprovaçaõ, e ter sido Deputado do Conselho Geral do Santo Officio de que tomou posse a 16 de Iunho de 1539. foy assumpto à Cathedral de Coimbra a 22 de Mayo de 1545. Onde dezempenhou as obrigaçoens de Pastor vgilante assim na continua repartiçaõ de esmolas, como na magnificencia de fabricas sagradas quais foraõ a Caza da Mizericordia fundada sobre as abobadas da Igreja de S. Tiago à qual deixou trezentos mil reis de juro; e ao Tribunal do Santo Officio hum conto de reis para sempre. Á Capella do Santissimo Sacramento em a Cathedral lhe fez o donativo de hum Calix de ouro; e os Passos da Paixaõ de Christo em o Palacio de Coja. Conduzio com grande apparato da Cidade de Badajos até Lisboa com D. Ioaõ de Lancastre primeiro Duque de Aveiro a Serenissima Princeza D. Ioanna de Austria filha de Carlos V. que vinha despozarse com o Principe D. Ioaõ. Entre os Prelados que a Magestade delRey D. Sebastiaõ mandou ao Concilio Tridentino foy nomeado, e em taõ authorizado Congresso deixou immortaes memorial da facundia com que orava. Concluido o Concilio em o anno de 1563. partio a vizitar os lugares de Ierusalem santificados com o sangue do divino Redemptor deixando para eterno testemunho da sua generosa piedade hum precioso ornamento ao Templo do Santo Sepulchro. Restituido à sua Diocese continuou com vigilancia o Officio pastoral até que avizado pela ultima infermidade de estar propinqua a morte recebeo o Viatico fóra do leyto em que jazia, e entre fervorozos colloquios com Christo Crucificado espirou placidamente a 26 de Novembro de 1572. Iaz sepultado na Capella do Santissimo Sacramento da sua Cathedral que tinha edificado. Fazem memoria deste illustre Prelado Andrade Chron. delRey D. Ioaõ o III. Part. 4. cap. 95. Illustrissimo Cunha Cathal. dos Bisp. do Porto Part. 2. cap. 34. Souza Vid. de Fr. Barthol. Dos Martyr. liv. 2. cap. 17. Foy eminentissimo no ministerio do pulpito, tanto que os mayores Pregadores do seu tempo lhe reconheciaõ a ventagem, e como a segundo Demosthenes o veneravaõ. Brandaõ Mon. Lusit. Part. 5. liv. 17. cap. 12. Varaõ de grandes letras, e virtude. Marracio Bib. Marian. Part. 1. p. 795. Floruit in Concilio Tridentino celebris. Orland. Hist. Societ. Ies. lib. 5. n. 56. Vir de Societate inde usque ab ejus in Lusitaniam accessu, perpetuis, & maximis officiis optime meritus. Pacheco Vida da Inf. D. Mar. liv. 2. cap. 4. Varon en virtud, y letras eminente. Tellez Chron. da Companhia de Ies. da Prov. De Portug. Part. 1. lib. 1. cap. 26. n. 4. dignissimo da mitra de Coimbra assi no que fez no sagrado Concilio Tridentino como no muito que aproveitou suas ovelhas que tudo he notorio a todo Portugal. Fr. Ant. Purif. de Vir. illustrib. Ord. Erimit. D. Aug. lib. 1. cap. 22. Evasit in Theologia, et Sacris Scripturis apprime doctus, et ad concionandum profundissima quadam eloquentia ornatissimus. D. Nicol. de S. Mar. Chron. dos Coneg. Reg. lib. 10. cap. 16. n. 6. Foy grande Letrado, e Pregador. e liv. 11. cap. ult. Grande Prelado. Possevin. Apparat. Sacer. Tom. 1. pag. 940. Guerreiro Coroa de esforçad. Relig. da Comp. de Ies. cap. 13 . religioso de muy perfeitos talentos Nicol. Ant. Bib. Hisp. Tom. 1. p. 600. col. 2. Certe his, & aliis argumentis quaesita pietatis fama, nec vulgaris doctrinae laus dignitatem hominis ad populum declamantis egregie tuebantur. Camargo Chron. Sacr. pag. 322. Tan eminente en lo Positivo que hasta oy nò, hà podido la muchedumbre de Predicadores que hà tenido la Religion en aquel Reyno olvidar sus memorias. Ioan. Soar. de Brito Theatr. Lusit. Liter. lit. 1. n. 77. Sixto Senens. Bib. Sanct. lib. 4. Crusenius Monast. Augustin. Part. 3. cap. 40. vir supra modum pius ac eruditus ut ex operibus conscriptis colligitur. Fr. Luiz dos Anjos Iard. De Portug. cap. 134. digno de eterna memoria. Herrera Anastas. Augustian. pag. 126. Vir singulari beneficentia ornatus, et apprime eruditus. Leytaõ Cathal. dos Bisp. de Coimbra. §. 68. Compoz.

In Evangelium D. N. Jesu Christi secundùm Mathaeum Comentaria. Conimbricae apud Ioannem Barreira. 1562. fol. Venetiis apud Ziletum. 1565. Et Parisiis apud Sebastianum Nivellum. 1578. fol.

In Evangelium Marci Homiliae. Conimbricae apud Ioannem Barrerium. 1566. fol. & Parisiis apud Sebastianum Nivellum. 1578. fol.

In Evangelium Lucae Commentaria. Conimbricae apud Antonium Maris. 1574 . fol. et Parisiis apud viduam Sebastiani Nivelli. 1604. fol. addicionado.

De la Verdad de la Fé. Lisboa por Luiz Rodrigues livreiro de S. Alteza. Tem no fim as seguintes palavras. Acabose a los XX dias del mez de Enero de mil, e quinientos, e quarenta, e tres fol. Foy mandado imprimir por ordem delRey D. Ioaõ o III. Deste livro, que he impresso em letra Gothica vimos hum exemplar na selecta Livraria de meu Irmaõ D. Ioze Barboza Clerigo Regular, e Chronista da Serenissima Caza de Bragança, como tambem o seguinte.

Cartinha para ensinar a ler, e escrever com os Mysterios de Nossa Santa Fé. Principia pelo titulo seguinte. Começa o tratado dos remedios contra os sete pecados mortaes. Depois segue. Começa a Oraçaõ do fazimento de graças pelas obras do senhor, e petiçoens pelos mesmos mysterios. No fim acaba com estas palavras. Foy impressa a prezente Cartinha com ho tratado dos remedios contra os sete pecados mortaes, e a Oraçaõ do fazimento de graças em a muy nobre Cidade de Coimbra em caza de Ioam Alvares impressor polo Reverendissimo Señor D. Joam Soares Bispo de Coimbra. Impressa com alvará de sua Señoria em que manda que nenhùa pessoa insine por outra algua Cartinha em todo o seu Bispado, se naõ por esta sob pena de trinta cruzados para as obras da Sé, e meyrinho, e a terça para quem os acusar. 1554. 12. e 1583. 24. sem lugar da impressaõ, e Lisboa por Domingos Carneiro. 1672. 12.

Confessionario, ou interrogatorio breve para os Confessores preguntarem aos penitentes. Coimbra por Ioaõ de Barreira. 1557. 8. e Evora por Andre de Burgos. 1573. 8.

Sermaõ de Exequias do Serenissmo Rey D. Affonso Henriques pregado no Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra em 6. de Dezembro de 1560. O qual Sermaõ (como escreve D. Nicoláo de Santa Maria Chron. dos Coneg. Reg. liv. 11. cap. ult. n. 1. por ser em grande louvor do Santo Rey se imprimio no mesmo Mosteiro de Santa Cruz no anno seguinte de 1561. por mandado do Reverendissimo Padre Prior Geral da nossa Congregaçaõ, e Cancellario da Universidade de Coimbra D. Lourenço Leyte.

Exhortaçaõ aos Soldados. Sem o seu nome.

Carta escrita em o anno de 1534. a ElRey D. Joaõ o III. consolando-o na morte de seu filho o Principe D. Manoel. He muito larga, e judiciosa. Começa. Bem sey que V. A. he Christianissmo. Acaba; fazer ao que deve ao serviço de Nosso Senhor ao qual sejaõ graças, e gloria para tudo, que fez Amen.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]