Fr. ISIDORO BARREYRA natural de Lisboa ou como alguns querem do lugar do seu apellido distante tres legoas da Villa de Thomar em o Bispado de Leyria. Professou o militar habito da Ordem de Christo em o real Convento de Thomar a 7 de Março de 1606. onde pela agudeza do engenho, e comprehensaõ do juizo sahio insigne Mestre, e famoso Pregador. Naõ possuio dignidade alguma em a Ordem, satisfeito de sempre obedecer, e nunca mandar. Foy muito observante do seu Instituto, e continuamente aplicado à liçaõ dos livros. Falleceo no Convento de Thomar em o anno de 1634. Delle se lembraõ com louvor Nicol. Ant. Bib. Hisp. Tom. 1. p. 630. col. 1. Cardozo Agiol. Lusit. Tom. 2. p. 68. no Comment. de 6 de Março letr. C. Jacob. Le lona. Bib. Sacr. pag. mihi 626. col. 1. Joan. Soar. de Brit. Theatr. Lusit. Liter. lit. 1. n. 92. Faria Comment. às Rim. de Cam. Tom. 4. p. 51. col. 2. e o moderno addicionador da Bib. Orient. de Antonio de Leaõ Tom. 1. Tit. 16. col. 497. Compoz.

Historia da vida, e martyrio da gloriosa Virgem Santa Eria freira da Ordem do Patriarcha S. Bento natural de Nabancia, que hoje he a notavel Villa de Thomar, e relaçaõ da sua milagrosa sepultura feita por maõ de Anjos dentro das aguas do Rio Tejo onde està seu corpo. Lisboa por Antonio Alvres 1618. 4.

Tratado das significaçoens das Plantas, e flores referidas na Sagrada Escritura. Lisboa por Paulo Crasbeeck. 1622.4. O 2 Tomo desta obra conservava em seu poder Fr. Miguel Pacheco Religioso da Ordem militar de Christo, e Procurador Geral da sua Ordem em Madrid de quem se fará larga memoria em seu lugar.

Regra do nosso glorioso Padre S. Bento Abbade, Confessor, e Patriarcha de todas as Religioens dada aos Freyres da Ordem de Nosso Senhor Jesu Christo, e traduzida de Latim em Portuguez na forma, que primeiro foy approvada. E confirmada pelos Summos Pontifices quando a mesma Ordem se reformou. Lisboa por Pedro Crasbeeck. Impressor delRey 1623.4.

Comedia famosa de Santa Maria Egypciaca M. S.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]