D. IULIO FRANCISCO DE OLIVEYRA. Naceo em a Cidade de Lisboa a 12 de Abril de 1693. onde foy virtuosamente educado por seus Pays Antonio Francisco de Oliveira, e Lourença Vieyra. Na tenra idade de quatorze annos entrou a 16 de Julho de 1707. na Congregaçaõ do Oratorio de Lisboa palestra igualmente de sciencias que virtudes onde aprendidas as faculdades escholasticas as dictou com tanto credito do seu nome, que mereceo ser venerado por hum dos famozos Theologos do seu tempo. Foy admetido á Academia Real em o anno de 1736. Para escrever as Memorias Historicas delRey D. Joaõ o Terceiro. Attendendo a Magestade delRey D. Joaõ o V. Nosso Senhor às suas letras, que se faziaõ mais estimaveis pela exacta observancia do seu Instituto o nomeou Bispo do Funchal Capital da Ilha da Madeira a 11 de Fevereiro de 1739. sendo sagrado pelo Emminentissimo Cardial Patriarcha de Lisboa D. Thomaz de Almeyda em a Basilica Patriarchal a 5 de Março de 1741. Antes que partisse para este Bispado foy nomeado em o de Viseu onde exercita as obrigaçoens pastoraes com igual zelo do culto divino, como compassivo socorro da pobreza. Compoz

Allegaçaõ Juridica a favor da Congregaçaõ do Oratorio da Cidade de Lisboa Occidental em reposta a que mandaraõ fazer, e imprimir os Reverendos Prior, e Beneficiados da Igreja Parochial de saõ Nicolao sobre a controversia, que movem à mesma Congregaçaõ pertendendo impedirlhe o complemento da sua Caza, dividida em tres pares 1. em que se dá huma sincera noticia de todo o facto que se involve nesta controrersia. 2. em que se mostra a justiça da Congregaçaõ. 3. em que se responde á Allegaçaõ feita a favor dos Reverendos Prior, e Beneficiados. Lisboa por Bernardo da Costa Impressor da Religiaõ de Malta 1730. fol.

Oraçaõ recitada no Paço 30 de Abril de 1736. Com que congratulou aos Academicos da Academia Real pela eleiçaõ que fizeraõ da sua Pessoa para seu Collega. Sahio na Collec. dos Docum. da Academia Real do anno de 1736. Lisboa por Iozé Antonio da Sylva Impressor da Acad. Real. 1736 4.

Consultas Moraes M. S. fol. Conservaõ-se na Congregaçaõ do Oratorio de Lisboa.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]