D. ANTONIO, PRIOR DO CRATO, filho do Infante D. Luis, e pretendente á corôa de Portugal por morte do Cardeal Rei. – N. em Lisboa em 1531, e m. em Paris a 26 de Agosto de 1595. Sob o seu nome collocam os nossos bibliographos a obra seguinte (que é traducção de outra que se lhe attribue, escripta em latim com o titulo: Psalmi confessionalis, impressa pela primeira vez em Paris, por Frederico Borellum 1592, em 12.º)

358) (C) Soliloquios em que um peccador arrependido fala com Deus, disposições para bem se confessar, e industrias para bem morrer. Acharam‑se em um escriptorio do Serenissimo D. Antonio Principe Portuguez, na sua propria letra, na lingua latina, com tradição que era obra do seu grande juizo, e confissões feitas pelo seu grande arrependimento. Agora traduzidos, e pouco acrescentados para melhor cadencia da lingua portugueza. Pelo P. Fr. Jorge de Carvalho etc. Lisboa, por Paulo Craesbeeck. 1653. 12.º – Barbosa, por inadvertencia ao que parece, trocou estes algarismos da data, e poz em logar d’elles 1635, figurando assim uma edição d’este ultimo anno, que julgo nunca existiu, e que ninguem dá noticia de ter visto. Mas este erro de Barbosa bastou para que os seus officiosos copiadores o reproduzissem sem mais exame, e assim vemos apontada essa pretendida edição de 1635 tanto no Catalogo da Academia, como no Summario de Farinha, e na Bibl. Lus. Escolhida de Salgado, sem que nenhum d’elles reparasse que o proprio Barbosa se corrigira a si mesmo restituindo no tomo II, art. Fr. Jorge de Carvalho, á edição dos Soliloquios a sua data verdadeira 1653. – Esta mesma edição de 1653 é muito rara, pois d’ella nunca poude encontrar exemplar algum; mas vi em seu logar outra, que Barbosa não conheceu, e cujo titulo é como se segue: Soliloquios em que um peccador arrependido fala com Deus etc… traduzidos por Fr. Jorge de Carvalho… e terceira vez impressos pelo P. Balthazar Guedes. Coimbra, por José Ferreira 1683. 8.º de 62 pag.

Se houvermos de dar credito a Barbosa, e aos seus ditos copiadores ha tambem de D. Antonio a obra seguinte, que todos os tres mencionam, como escripta em francez e portuguez:

359) (C) Cartas escriptas de Paris a 22 de Agosto de 1595 ás Magestades d’Elrei Christianissimo Henrique IV, Rainha d’Inglaterra, Estados Geraes, Conde Mauricio, Princeza de Orange, e Conde d’Essex. Paris, chez João Micard. 1607. 12.º – Que estas Cartas existem em francez com todas as indicações referidas, não pode restar a menor duvida, pois d’ellas vi ainda ha pouco um exemplar; porém que existam tambem em portuguez, isso é o que me parece de prova difficilima, emquanto não apparecer algum exemplar d’ellas, debalde procurado por todos os nossos mais modernos bibliographos que têem tractado de verificar este ponto.

Creio que não desagradarei aos leitores indicando‑lhes n’este logar a noticia de algumas obras raras, extranhas na verdade ao plano do Diccionario, mas que podem fornecer importantes subsidios para a historia de D. Antonio, e conseguintemente para a de Portugal, cujo rei teria elle sido effectivamente se a fortuna o não desamparasse. Collocal‑as‑hei pela ordem chronologica de sua publicação.

360) Apologie d’Antoine, Roy de Portugal contre Philippe Roy d’Espagne, usurpateur de Portugal, traduite de l’espagnol. – 1582.

361) The explanation of the True and Lawful Right and Tytle of the Moste Excellent Prince Anthonie, the first of that Name, King of Portugall, concerning his Warres againste Phillip, King of Castile and against his Subjects and Adherentes, for the Recoverie of his Kingdom… By the commandment and order of the Superiors. At Leyden, in the Printing House of Christopher Plantyn. 1585. 4.º – John Adamson teve um exemplar.

362) Lettre à D. Christofle, Prince de Portugal, por Gabr. Mig. de Rochemaillet. Paris, 1623.

363) Lettre consolataire à D. Christofle etc. par Theophile Philaletho. Paris, 1626. 8.º.

364) Briefve & sommaire description de la vie & mort de Don Antoine primier du nom, & dix‑huictiesme Roy de Portugal, avec plusieurs lettres servantes a l’histoire du temps Paris, chez Gervais Alliot. 1629. 8.º‑É escripta por seu filho D. Christovão de Portugal.

365) Histoire secrete de Dom Antoine Roy de Portugal, tirée des Memoires de Dom Gomes Vasconcellos de Figueiredo. Paris, 1696. 8.º‑Existia antigamente um exemplar na Livraria das Necessidades com a indicação 463\34.

 

Diccionario bibliographico portuguez, tomo 1]