LUIZ BORGES DE CARVALHO Cavalleiro professo da Ordem de Christo nasceo na Villa de Mello do Bispado de Coimbra a 3. de Agosto de 1689. onde teve por Progenitores a David Borges de Azevedo Cavalleiro professo da Ordem de Christo, e D. Maria de Carvalho igualmente nobres, e opulentos. Instruido naquelles preceitos litterarios que abrem caminho para a penetraçaõ das sciencias mayores cultivou a Jurisprudencia Cesarea em a Universidade de Coimbra em que se graduou a 13. de Julho de 1712. com geral aplauzo dos Cathedraticos. Havendo servido com desinteresse igual á sua Litteratura os lugares de Juiz do Crime do Bairro da Mouraria, Corregedor do Civel da Cidade entrou por Dezembargador na Casa da Supplicaçaõ onde sendo Juiz dos Cavalleiros das Ordens Militares, foy provido no anno de 1748. em Dezembargador dos Aggravos, e no seguinte Deputado do Conselho Ultramarino. Entre a severidade do estudo juridico sempre conservou innocente comercio com as Muzas poetizando com suavidade, cadencia, e elegancia de cujo argumento se publicaraõ as seguintes produçoens.

A morte da Serenissima Senhora D. Francisca Infanta de Portugal. Tres Sonetos fol. sem anno, nem lugar da ediçaõ. Delles sahiraõ reimpressos dous nos Sentim. Metric. dedicados ao mesmo assumpto Collec. 1. a pag. 9. e 19. Lisboa por Miguel Rodrigues Impressor do Senhor Patriarcha. 1636. 4. o 3. Soneto sahio reimpresso a pag. 16. da Collec. 3. dos Sentimentos Metricos.

Quatro Decimas á morte da Serenissima Infanta de Portugal a Senhora D. Francisca. fol. sem anno, nem lugar da ediçaõ.

Dous Sonetos em aplauso de ser reeleita Abbadessa do Convento de Santa Clara de Lisboa a Madre D. Margarida Baptista. Lisboa por Jozé Antonio da Silva 1736. 4.

Dous Sonetos á morte do Conde de Tarouca. fol. sem anno nem lugar de ediçaõ mas certamente foraõ impressos em 1739.

Soneto à morte do Conde da Ericeira fol. sem anno nem lugar da impressaõ.

Soneto em aplauzo de Francisco de Pina e Mello escrevendo o Espelho Nupcial Epithalamico que fez aos despozorios do Illustrissimo e Excellentissimo Duque Estribeiro mór. Lisboa.

Soneto ao Augustissimo Monarcha D. Ioaõ o V. triunfando da infermidade penosa que padeceo. Naõ tem lugar nem anno da impressaõ.

Novena do Glorioso Apostolo, e Evargelista, S. Matheos Lisboa na Officina Silviana da Academia Real 1739. 8. Foy composta ás devotas instancias da Excellentissima Senhora Marqueza de Cascaes.

Memorial em huma Decima ao Serenissimo Principe D. Joze querendo passar da Relaçaõ para o Concelho ultramarino. Lisboa por Pedro Ferreira Impressor da Rainha nossa Senhora 1750. 4. Sahio glossado por Soror Thomasia Caetana de Santa Maria Religiosa no Convento de Santa Cruz de Villaviçosa.

Romance aos felices annos da Serenissima Princeza do Brasil. fol. sem anno e lugar de impressaõ consta de 10. copias.

A Excellentissima Senhora Marqueza de Tavora na heroica resoluçaõ de acompanhar ao Excelentissimo Senhor Marquez seu Espozo ao Estado da India. Romance. fol. naõ tem anno, e lugar da Impressaõ. Consta de 15. coplas.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]