Fr. LUIZ DE S. FRANCISCO chamado no seculo Luiz Pinheiro. Teve por patria a Cidade de Lisboa, e por Progenitores ao Doutor Thomé Pinheiro da Veiga Cavalleiro da Ordem de Christo, Procurador da Coroa, Dezembargador do Paço Chanceller Mór do Reyno de que se fará larga memoria em seu lugar, e a D. Catherina de Oliveira. Estudou na Academia Conimbricense Direito Civil em cuja Faculdade naõ degenerou da profunda litteratura de seu grande pay que Sendo no seu tempo ouvido como Oraculo ainda neste conserva respeitada memoria o Seu talento. Provido em Senador da Relaçaõ da Cidade do Porto aproveitava aquellas horas, que lhe restavaõ de taõ laboriosa ocupaçaõ, com o V. Padre Balthezar Guedes Reitor do Seminario dos Meninos Orfaõs de cuja virtuosa doutrina aprendeo o heroico desengano de preferir o Sayal á Toga professando o penitente instituto do Serafim humano em o Convento de Santo Antonio da Figueira a 3. de Outubro de 1652. Nesta austerissima palestra se empenhou a que nenhum dos seus companheiros o excedesse na abstinencia do alimento, pobreza de habito, e maceração do corpo. Vinte annos exercitou o lugar de Comissario da Ordem Terceira na Cidade do Porto e nesta incumbencia se admirou o ardente espirito que o animava para conduzir almas ao caminho da penitencia ou fosse exhortando no pulpito com vozes de trovão, e efeitos de rayo aos que jaziaõ sepultados no lethargo da culpa, ou fosse no Confessionario atrahindo suavemente os coraçoens endurecidos que se abrandavaõ com as lagrimas que elle copiosamente derramava. Envejozo o demonio dos espirituaes progressos com que este Varaõ Apostolico lhe arruinava o seu Imperio moveo contra a sua Pessoa fortes contradiçoens assim domesticas, como estranhas, que tolerou constante, e dissimulou prudente até que crecendo com mayor impeto esta tempestade se retirou para a quinta de S. Martinho com permissaõ dos Prelados, e por obedecer ás instancias do V. Bispo de Coimbra D. Ioaõ de Mello que estimava ter em sua companhia homens abalizados em virtude, naquelle sitio viveo cinco annos como Erimita até que attenuado das penitencias, e dos achaques recebida a bençaõ do seu Prelado passou de caduco a eterno em 5. de Novembro de 1696. Foy sepultado em o Convento de S. Francisco da Ponte cujo cadaver acompanharaõ o Excellentissimo Bispo de Coimbra, e todos os Cathedraticos da Universidade declarando com este obsequio a grande estimaçaõ que se fazia das suas virtudes. A Ordem Terceira da Cidade do Porto lhe dedicou sumptuosas exequias, e no fim desta luctuosa pompa expoz em hum largo Panegirico as suas virtuosas acçoens Fr. Luiz do Rozario Guardiaõ do Convento do Porto. Delle fazem memoria Fr. Fernando da Soled. Hist. Seraf. da Prov. de Portug. Part. 3. liv. 1. cap. 21. e mais difusamente Part. 5.1iv. 5. cap. 24. e Fr. Ioan. a D. Ant. Bib. Franc. Tom. 2. p. 197. col. 1. Compoz.

Sermaõ das Exequias da Serenissima Rainha de Portugal D. Luiza Francisca de Gusmaõ celebradas na Sé de Leiria no anno de 1666. Lisboa por Ioaõ da Costa 1666. 4.

Sermaõ de S. Francisco, no seu Convento do Porto anno de 1674. Coimbra por Jozé Ferreira 1674. 4.

Dous Sermoens do Santissimo Sacramento de Odivellas. ibi pello dito Impressor 1676. 4.

Sermaõ prégado no fim de se correr na Cidade do Porto a Via-Sacra no lugar em que se representava o Monte Calvario dia da Exaltaçaõ da Cruz em o anno de 1674. ibi pelo dito Impressor 1675. 4.

Livro em que se contem o que toca á origem, regra, estatutos, Ceremonias privilegios, e progressos da Terceira Ordem da Penitencia de S. Francisco. Lisboa por Miguel Deslandes 1674. 8. & ibi 1684. pelo dito Impressor.

Epitome da breve, mas portentosa, e milagrosa vida, e morte da gloriosa Virgem Santa Roza de Viterbo filha por mandato expresso da sempre Virgem Maria Senhora nossa da Sagrada Ordem da Penitencia de nosso Padre S. Francisco. Coimbra por Jozé Ferreira 1675. 12. e Lisboa por Miguel Deslandes 1684. 16.

Quartetos, e Sextilhas contadas pela solfa de discursos predicativos sobre os dous Hymnos das Matinas, e Vesporas da solemnidade de Corpus Christi no triduo annual festivo, que se faz ao desagravo do Santissimo Sacramento pelo sacrilego desacato, que contra elle se cometeu na Freguesia de Odivellas no anno de 1675. Coimbra por Jozé Ferreira 1682. 4.

Thezouro do Ceo descuberto no campo Franciscano. Lisboa por Miguel Deslandes 1685. 8. e Coimbra por Jozé Ferreira 1675. 8.

Quatorze Sermoens Funeraes em que se encerraõ hum na manhaã dos Finados, cinco com nova traça nos Anniverarios dos Irmaõs Terceiros, cinco em diversos Anniversarios &c. Lisboa por Miguel Deslandes 1690. 4.

Sermaõ nas exequias do Excellentissimo Senhor Diogo Lopes de Sousa Quarto Conde de Miranda celebradas no Convento de S. Francisco da Cidade do Porto no anno de 1672. Lisboa por Miguel Deslandes 1690. 4.

Penitologio Moral. Lisboa por Manoel da Silva 1691. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]