MANOEL DE FARIA SEVERIM naceo em Lisboa a 6. de Dezembro de 1609. Foraõ seus progenitores Francisco de Faria Severim, e D. Joanna da Fonseca, sendõ irmaõ de Gaspar de Faria Severim Secretario das Mercês dos Serenissimos Monarchas D. Joaõ IV. e D. Affonso VI. Na Universidade de Evora aprendeo os primeiros rudimentos da lingua Latina, e estudou Filosofia recebendo o grao de Mestre em Artes no anno de 1628. No seguinte passou a Coimbra com seu primo D. Balthezar Manoel sobrinho de D. Sancho Manoel Governador das Armas da Provincia da Beira onde se aplicou á Jurisprudencia Canonica, e posto que na Universidade de Avila recebesse os graos de Licenciado, e Doutor nesta Faculdade, se incorporou em a de Coimbra precedendo exame privado em que deu a conhecer a profundidade da sua litteratura. Ornado igualmente de letras, e virtudes quando possuia hum Beneficio simplez na Igreja de Santa Maria de Obidos lhe renunciou o Canonicato de Evora seu tio, e Padrinho Manoel Severim de Faria de quem em seu lugar se fará merecida lembrança do qual tomou posse a 4. de Abril de 1633. e depois do Chantrado da mesma Cathedral que fora do mesmo seu tio a 19. de Março de 1642. cuja dignidade renunciou depois em seu sobrinho Francisco de Faria Severim. Compadecido do dezemparo dos meninos pobres fundou em Evora hum Collegio consagrado aos Santos Innocentes que se principiou a habitar em 28. de Dezembro de 1649. nomeando para Reytor delle a Pedro Coelho Sacerdote de vida exemplar. Ordenou nos Estatutos que lhe compoz, aprenderiaõ a ler, escrever, e contar, e depois se aplicariaõ áquèlle estudo para o qual tivessem mayor inclinaçaõ, ou algum officio mecanico de que resultasse utilidade publica á Republica. Impetrou delRey D. Joaõ IV. os privilegios, que lograva o Collegio Real dos Orfaõs de Lisboa, que benevolamente lhos concedeo cometendo a sua administraçaõ a huma Junta chamada Mesa da Piedade pela extinçaõ da qual sucedeo a Mitra Archiepiscopal. Determinou fundar outro Collegio em Beja para Donzelas orfaãs, e em Setuval outro para moços que quizessem aprender a Nautica como taõ util aos Portuguezes pelas frequentes navegaçoens que fazem a todas as partes do mundo, porém a morte impedio o effeito de obras taõ pias, e heroicas. No seu Testamento deixou a terceira parte de seus bens ao Collegio dos Innocentes rogando a sua mãy D. Joanna da Fonceca, e a seu irmaõ Gaspar de Faria Severim concorressem para este edificio, como tambem determinou fosse sepultado sem ostentaçaõ, e que se lhe naõ gravasse epitafio na sepultura. Falleceo em Evora a 16. de Dezembro de 1655. quando contava 46. annos, e 10. dias de idade. Jaz sepultado na Capella de S. Joaõ da nave esquerda da Cathedral que prezentemente se reedificou para o Santuario das Reliquias. Compoz imitando Valerio Maximo.

Dos Ditos, e feitos memoraveis dos Portugueses. 4. M. S. Conservava-se em poder de Gaspar de Faria Severim Secretario das Mercês irmaõ do Author.

Estatutos do Collegio dos Meninos Orfaõs de Evora. Desta obra como de seu author faz mençaõ o Padre Francisco da Fonceca Evor. Glorios. p. 235.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]