António Guerreiro, «Levante-se o réu!», Expresso, Cartaz, 29 de Fevereiro de 1002