Fr. MANOEL LEAL, chamado no seculo Manoel Leal de Barros, naceo na Villa da Arrifana de Soufa do Bispado do Porto onde teve por Pays a Antonio Luiz de Barros, e Anna Leal. Taõ anticipado lhe amanheceo o genio para a Poezia que naõ excedendo a idade de 18. annos compoz hum livro na lingua Castelhana de varios versos dedicado a Mathias Osorio Rangel Sargento mór de Oliveira seu particular amigo, intitulado

Selvas del Souza, e Abriles de Amor.

Inspirado superiormente deixou a casa paterna pelo Convento de Evora dos Erimitas de Santo Agostinho onde professou o seu instituto a 12 de Janeiro de 1642 . quando contava 20. de idade. Na Universidade de Bordeaux recebeo a borla doutoral em Theologia, sendo taõ perito em hum e outro Direito, como nas antiguidades da sua Ordem Erimitica, por cuja causa foy Chronista della. Falleceo no Convento de Lisboa a 17. de Novembro de 1691. quando contava 58. annos de idade, e 38 de Religiaõ. Compoz

Noticias da antigua Confraria de N. S. da Graça instituida em o Altar mayor da Igreja de N. S. da Graça de Lisboa da Ordem de S. Agostinho Lisboa por Antonio Crasbeeck de Mello, Impressor delRey 1670. 4. & ibi por Joaõ Galraõ 12.

Chrysol Purificativo em que se apura o Monocato do grande Patriarcha, Doutor, e Principe da Igreja S. Agostinho e a sucessaõ continuada da Ordem Erimitica, que instituhio em Africa, e seus discipulos introduziraõ na Provincia Lusitana. Lisboa por Antonio Rodrigues de Abreu 1674. fol.

Antiguidades da Villa de Arrifana sua Patria.

Desta obra faz elle mençaõ no Chrysol. Purif. Exam. 6. n. Jorge Cardoso Agiolog. Lusit.Tom 2 pag. 493. no Comment. de 9 de Abril lit. C. dizendo ser obra de grande estudo em credito da Patria, e de seu Author.

Chronica da Provincia de Portugal Part. 3. M. S. Seguia as duas de seu antecessor Fr. Antonio da Purificação. Desta obra tambem se lembra no Crysol. Purif. Exam. 1. fol. 59. Deixou-a imperfeita, e se conserva na Livraria do Convento de Lisboa.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]