MANOEL DA MAYA, natural de Lisboa Cavalleiro professo da Ordem de Christo, Brigadeiro com exercicio de Engenheiro dos Exercitos de Sua Magestade, Guarda mór da Torre do Tombo, Chronista da Serenissima Casa de Bragança, Academico da Academia Real, e Mestre de Mathematica do Serenissimo Principe do Brasi1 D. Jozé, que hoje felizmente reyna. Cultivou desde os primeiros annos as letras humanas, e Disciplinas Mathematicas em que sahio eminente pela grande comprehençaõ de que era dotado, naõ sendo menos insigne na penna que como pincel fórma os caracteres, que parecem impressos. Das linguas Latina, Italiana, e Franceza tem profunda intelligencia sendo muito mais estimavel pela candura de animo, e affabilidade de genio com que trata a todos que o comunicaõ. Por ordem de  Sua Magestade traduzio de Francez de Monsiur Antonio de Ville em a lingua materna.

Governador de Praças. Lisboa, por Antonio Pedroso Galraõ. 1708. 8.

Como tambem da mesma lingua Franceza de Monsiur Pfeffinger.

Fortificaçaõ moderna, ou recopilaçaõ de differentes methodos de fortificar, de que usaõ na Europa, os Espanhoes, Francezes, Italianos, e Holandezes com hum Dicionario Alfabetico dos Termos Militares, Offensa, e Defensa das Praças, construçoens de gatarias, e Minas; e fórma de aquartelar exercitos. Lisboa, na Officina Real Deslandesiana. 1713. 8.

Ambas estas obras sahiraõ sem o nome do traductor, e com muitas estampas abertas pela sua maõ.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]