AGOSTINHO DE MENDONÇA FALCÃO DE SAMPAIO COUTINHO E POVOAS, Cav. professo na Ord. de Christo, Bacharel formado em Direito pela Univ. de Coimbra, Superintendente dos Tabacos e Alfandegas das Comarcas de Coimbra, Leiria e Aveiro com predicamento de primeiro banco e béca honoraria por decreto de 27 de Junho de 1827; Deputado ás Côrtes em 1821; Socio da Acad. R. das Sc. de Lisboa e do Instituto de Coimbra, etc. – N. em Souto maior, comarca de Trancoso, a 27 de Agosto de 1783, e m. em Girabolhos a 24 de Janeiro de 1854. – V. o seu Elogio historico por F. A. Rodrigues de Gusmão, inserto no Instituto, jornal scientifico e litterario de Coimbra, vol. I, pag. 159 e seg. – E.

109) Memoria historica sobre a villa de Cêa – Vem no tom. VIII part. II das Mem. da Acad. R. das Sc. Lisboa 1823, e tambem foi publicada em separado. De 42 pag. em fol.

Alguns trabalhos seus acham‑se insertos em diversos jornaes litterarios de Coimbra: taes são:

110) Bibliographia abbreviada da Historia de Portugal. – Sahiu primeiro na Chronica Litt. da Nova Acad. Dramatica tomo I, 1840, começando a pag. 7. – Depois foi reproduzida na Revista Academica, de pag. 129 em diante. Tanto em um como no outro periodico não chegou a concluir‑se. Os juizos criticos do auctor ácerca dos historiadores que menciona peccam ás vezes, me parece, por serem favoraveis em demasia aos censurados. Na parte biographica vê‑se que pouco ou nada adiantou ao que dissera Barbosa, cuja Biblioth. parece ter sido a fonte quasi unica, a que o auctor recorreu para esta compilação.

111) Considerações sobre a lingua portugueza e seu estudo. – Publicadas successivamente na sobredita Chronica Litteraria, tomo I, de pag. 267 a 270, 285 a 290, 298 a 304, 325 a 330, 344 a 351, 358 a 363, 371 a 377. – Os que pretenderem dar‑se ao estudo particular da lingua poderão consultar com proveito este trabalho philologico, a que talvez se desejaria maior extensão e desenvolvimento, mas que ainda resumido e abbreviado como é, apresenta bom fundo de doutrina, e muitas idéas bem condebidas e ennunciadas com a perspicuidade propria de seu auctor.

Tambem fez numerosas correcções e importantes additamentos ao Diccionario da Lingua Portugueza de Moraes, de que se aproveitaram os editores na sexta edição que d’este Diccionario acabam de publicar já no anno corrente de 1858. (V. Antonio de Moraes Silva.)

112) Arvore genealogica da Casa Real Portugueza. Coimbra, na Lithogr. de P. – Rua de Coruche n.º 1. (Com as iniciaes A. M. F.) Ainda não a vi, e só sei da sua existencia pela communicação que ha pouco recebi do Sr. Rodrigues de Gusmão. Transcreverei aqui as proprias palavras d’este meu estimavel amigo, na carta em que tracta do assumpto: «Foi publicada pelos filhos do auctor, e lithographada em 1843. Tem notas criticas á margem sobre os pontos mais controversos da historia portugueza, que ali se decidem conforme a opinião mais provavel, e os juizos dos escriptores de melhor nota. Tem o desenho das armas reaes, e da casa de Bragança, conforme as alterações que teve o escudo d’ellas desde o conde D. Henrique até ao presente. Este escripto é de muito interesse para os estudiosos da historia portugueza, e especialmente da genealogia da casa real, porque n’um relance de olhos se conhecem as differentes linhas de successão na serie dos nossos reis; as epochas da sua acclamação e morte; mulheres que tiveram; numero e primogenitura dos filhos; armas de que usaram, etc. Tenho um exemplar; cuido porém que são raros.»

 

[Diccionario bibliographico portuguez, tomo 1]