FR. AGOSTINHO DA CRUZ, chamado no seculo AGOSTINHO PIMENTA, Franciscano reformado da provincia da Arrabida, irmão do outro celebre poeta Diogo Bernardes. Professou no convento da Serra de Cintra a 3 de Maio de 1561, e não consta que tivesse na ordem outro emprego alem do de Guardião do convento de S. José de Ribamar, que acceitou aos 65 annos de sua edade. – N. conforme Barbosa e os que o seguem, na villa da Ponte da Barca, na provincia do Minho, em 1540, e m. em Setubal a 14 de Março de 1619. Mas se é certo (como creio) o que se lê no manuscripto das suas poesias que logo citarei, dizendo‑se ahi que falecera de 77 annos, deveria ter nascido no de 1542. – E.

 

77) (C) Varias Poesias do veneravel P. Fr. Agostinho da Cruz, religioso da provincia da Arrabida, etc. Lisboa na Off. de Miguel Rodrigues 1771. 12.º de XXIII‑163 pag.

 

Nada iguala o desleixo e incuria com que foi feita esta edição, preparada e dirigida pelo (então) professor do extincto Collegio de Nobres José Caetano de Mesquita e Quadros. Amigo de vencer trabalho com pouco custo, nem tractou de consultar o codice manuscripto, que Barbosa nos diz existia no convento da Verderena, qualificado (quanto a mim inexactamente) de original e autographo; nem ao menos teve em vista, como cumpria, o que de Fr. Agostinho andava já impresso e publicado desde 1728 na Chronica da Arrabida, parte I. liv. 5. cap. 20. Se attentasse por isto, de certo não omittiria, como de facto omittiu na sua edição, um mote e voltas, que se lêem na dita Chronica pag. 940, e dous sonetos que ahi estão a pag. 941: e andaria mais escrupuloso na revisão, corrigindo pelo impresso varios erros e faltas, que provavelmente havia na copia de que se serviu, e que lhe escaparam; apontarei para exemplo o poema da vida de S. Catharina, pag. 130 da edição de Mesquita, em que logo na primeira oitava se nota a inteira suppressão do verso sexto, que é:

D’outra mais branda voz, mais doce e digna. O meu illustre amigo o Sr. J. J. B. Marreca, actual Conservador da Bibliotheca Nacional de Lisboa, curioso indagador de preciosidades bibliographicas, me mostrou ha pouco um codice ms. e original (não autographo) por elle casual e inesperadamente adquirido das Poesias de Fr. Agostinho da Cruz, que pertenceu á Communidade do convento da Arrabida, e parece ter sido escripto logo depois da morte do veneravel P. Consta de 154 folhas no formato de 4.º, de mui boa letra do seculo XVII, e em soffrivel estado de conservação. No rapido exame a que procedi, verifiquei ser muito mais amplo e correcto que o da copia que serviu a Mesquita para a sua mesquinha e deturpada edição. Começa por dous epigrammas, a que se seguem oitenta e um sonetos (nas obras impressas ha apenas vinte e seis!) – uma egloga á Ingratidão – quinze elegias – mais tres eglogas – cinco odes – varios motes e glosas-quatro cartas ou epistolas ineditas e diversas das que vem com este titulo no impresso – um epigramma – um epitaphio – as oitavas a S. Pedro sobre o Flevit amare – Vida e morte de S. Eustachio e de sua mulher e filhos em cincoenta e sete oitavas – e por fim a Vida e martyrio de S. Catharina. Já se vê de quanto interesse seria para os apaixonados da nossa litteratura, que d’estas estimaveis poesias se fizesse uma nova, acurada, e completa edição, para a qual servisse de texto este precioso codice.

 

[Diccionario bibliographico portuguez, tomo 1]