Fr. MANOEL DE NIZA, cujo apellido declara a Villa que lhe deu o berço situada na Provincia Transtagana nobilitada com o titulo de Marquezado. Professou o Serafico instituto na reformada Provincia da Piedade, onde naõ sómente exercitou com madureza varias Guardianias, mas se aplicou com indefesso trabalho a compor a Chronica da sua Provincia, que lhe commeteraõ os Superiores, cuja empreza desempenhou, como do seu talento se esperava. Falleceo piamente no Convento de Santo Antonio de Estremoz no anno de 1654. Escreveo

Chronica da S. Provincia da Piedade. fol. M. S. O original se conserva no Convento de Santo Antonio extramuros da Cidade de Evora. Della extrahio huma copia o insigne antiquario Manoel Severim de Faria que existia na sua selecta Livraria. O Doutor Antonio Gonçalves de Novaes na Relaçaõ de Elvas, impressa no fim das Constituiçoens deste Bispado, fallando dos Conventos que tem a Cidade diz. O segundo he o de S. Francisco da Provincia da Piedade, de que trata o Padre Prégador Frey Manoel de Niza na Chronica desta Santa Provincia, que tem composta, e já muitos dias para dar á estampa, livro excellente, cheyo de infinitos exemplos de penitencia, e santidade, e noticia de muitas cousas curiosas dos Conventos, e Lugares em que estaõ fundados; há de ser de muita edificaçaõ, e proveito espiritual de todos os que a lerem, credito, e reputaçaõ naõ só da Provincia, e Ordem toda do Serafico Padre S. Francisco, se naõ tambem deste Reyno em que está taõ dilatada. O Licenciado Jorge Cardoso fazendo mençaõ desta obra se equivocou com o nome de seu Author no 1. Tom. Do Agiol. Lusit. p. 443. col. 2. e p. 500. col. 1. e 515. col. 1. chamandolhe Fr. Antonio, de cuja equivocaçaõ se retratou restituindolhe o nome de Manoel no 3. Tom. Do Agiol. Lusit. pag. 129. col. 2. pag. 161. col. 1. e pag. 302. col. 2. Em semelhante equivocaçaõ cahio Fr. Joan. a D. Anton. Bib. Franc. Tom. 1. p. 120. col. 2. da qual se emendou a pag. 332. col. 2. O P. Fr. Manoel de Monforte no Prologo da Chronica da Provincia da Piedade, que se estampou em Lisboa no anno de 1696. Valeume muito o que neste particular (falla da Historia da Provincia) haviaõ trabalhado dous Religiosos desta Provincia Fr. Antonio de Sinde, e Fr. Manoel de Niza, aos quaes primeiramente foy entregue este cuidado, ainda que em nenhum delles chegou a ver a luz da estampa.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]