Fr. MANOEL DA ROCHA, naceo em a Villa de Castello-Branco a 19 de Novembro de 1676, sendo filho de Antonio da Rocha Cavalleiro professo da Ordem de Christo, Sargento mòr dos Auxiliares, e de sua Consorte D. Anna Brava que virtuosamente o educou por faltar seu pay quando ainda era menino. Recebeo a cogulla Cisterciense em o Real Convento de Alcobaça a 6 de Fevereiro de 1693, quando contava 15 annos de idade, e professou solemnemente a 10 do dito mez do anno seguinte. Nesta sagrada palestra aprendeo as sciencias escolasticas com disvelo, que depois ensinou com aplauso concorrendo na sua pessoa grande engenho, e perspicaz juizo. Tendo dictado Filosofia no Mosteiro de Salzedas, e Theologia no Collegio de Coimbra foy admitido ao numero dos Doutores Theologos pela Universidade Conimbricense. Por insinuaçaõ de seus Prelados explicou no seu Collegio, como Cathedratico de Escritura o livro dos Cantares conforme a exposiçaõ do seu mellifluo Patriarcha. Ao tempo que exercitava a Abbadia do Convento de S. Joaõ de Tarouca, foy obrigado passar a Coimbra a fazer oposiçaõ ás Cadeiras, e de tal sorte sustentou este litterario combate, que mereceo sahir Conductario com privilegios de Lente a 22 de Fevereiro de 1726. Eleito Geral da sua monastica Congregaçaõ em o anno de 1731 passou a regentar na Universidade a Cadeira de Gabriel, e della a ser Lente de Vespera da Escritura. A grande capacidade que teve para as especulaçoens Theologicas foy igual para as investigaçoens Historicas merecendo ser eleito entre os sincoenta Academicos de que se formou a Academia Real da Historia Portugueza, e depois Chronista geral do Reino em o anno de 1740. Entre os Regulares do seu tempo se fez digno das mayores dignidades naõ sómente por sua litteratura sagrada, e profana, natural afabilidade, e grave modestia, mas pela severa observancia do seu instituto. Falleceo piamente no Collegio de Coimbra a 15 de Novembro de 1744, quando contava 68 annos de idade, e 51 de Religiaõ. Compoz

Sermaõ da Canonizaçaõ dos gloriosos Santos S. Luiz Gonzaga, e S. Stanislao Koska da sagrada Companhia de Jesus, prègado no seu Real Collegio de Coimbra no primeiro dia do Outavario com que a mesma Companhia estando o Senhor exposto celebrou a dita Canonizaçaõ em 4 de Mayo de 1727. Coimbra no Real Collegio das Artes 1727. 4.

Portugal Renacido. Tratado Historico Critico Chronologico em que à luz da verdade se daõ manifestos os successos de Portugal do seculo decimo depois do Nacimento de Christo Senhor nosso tirados da confuzaõ, e descubertos para gloria deste Reino por escrituras authenticas, e intelligencia genuina dos authores de melhor nota. Lisboa por Jozé Antonio da Sylva 1730. fol. Sahio no Tomo 10. da Collec. dos Docum. e Memor. da Acad. Real.

Epistola Analytica escrita do Collegio de Coimbra a 3 de Novembro de 1731 ao R. P. Fr. Manoel dos Santos Monge Cisterciense, e Chronista do Reino de Portugal sobre a antiguidade da Santa Regra em Hespanha, e Portugal. Madrid por la Viuda de Francisco del Hierro 1732. fol. Sahio no fim da Analysis Benedictina do P. Fr. Manoel dos Santos.

Elogio do Doutor Manoel Pereira da Sylva Leal recitado em 5 de Novembro  de 1733. Sahio no Tom. 12. da Collec. dos Docum. da Acad. Real. Lisboa por Jozé Antonio da Sylva 1733. fol.

Sermaõ da Purissima Conceiçaõ da Virgem MARIA N. S. festejando-a a Academia Real na Capella do Paço do Duque de Bragança em 15 de Dezembro de 1733. Lisboa por Jozé Antonio da Sylva. 1734. 4.

Sermaõ na Solemne acçaõ de graças que celebrou a Universidade de Coimbra em 12 de Novembro de 1736 pelo felicissimo Nacimento da Serinissima Senhora Infanta D. Maria Anna Francisca Jozefa Antonia Getrudes Rita Joanna. Naõ tem lugar nem anno da Impressaõ, mas certamente foy impresso em Lisboa por Jozé Antonio da Sylva 1737. 4.

Reposta Apologetica em defensa da Epistola Analytica escrita ao P. Fr. Manoel dos Santos, contra o P. Fr. Francisco de S. Maria Agostinho, escrita em Lisboa a 7 de Janeiro de 1735. 4. M. S.

Vida da serva de Deos, Maria de S. Rosa Conversa no Real Mosteiro de Arouca. 4. M. S.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]