Fr. MANOEL DE S. TEREZA E SOUSA, chamado no seculo Manoel Antonio de Sousa e Torres, naceo em a Cidade do Porto em o 1 de Janeiro de 1686, sendo filho de Domingos Fernandes de Sousa, e Maria Magdalena Jacome de Torres, e irmaõ do Excellentissimo e Reverendissimo D. Ignacio de S. Tereza, Arcebispo de Goa, e Bispo do Algarve, de quem se fez larga memoria em seu lugar, e do Desembargador da Casa da Suplicaçaõ Amador Antonio de Sousa e Torres, a  cuja investigaçaõ laboriosa deve esta Bibliotheca noticias importantes. Aprendeo a lingoa Latina em Lisboa, com o P. Manoel de Abrantes, de cujo magisterio sahiraõ insignes Gramaticos podendo numerarse entre elles pela viveza de engenho, e facilidade de comprehensaõ de que era ornado. Ao tempo que por resoluçaõ de seus parentes estava para assentar praça de Soldado de Cavallo na Companhia de seu Tio Ignacio de Torres de Araujo, que morreo com patente de Mestre de Campo General, se alistou em mais nobre milicia qual foy a Religiaõ Serafica professando o seu instituto no observantissimo Convento de Alenquer a 8 de Setembro de 1700 onde estudada Filosofia em o Convento de Santo Antonio de Ferreirim, e Theologia em o Collegio de Coimbra, exercitou o lugar de Confessor dos Conventos de Amarante, Val de Pereiras, e de Villa do Conde. A natural inclinação, que tem para a Poezia vulgar o impellio a compor

Lusifineida. Poema de 10 Cantos, que comprehende a decadencia, e exaltaçaõ do Reino de Portugal, desde ElRey D. Sebastiaõ até D. Joaõ o IV. Prompto para a Impressaõ.

Joaneida. Poema da Princeza Santa. 4. M. S.

Destes dous Poemas, faz mençaõ D. Antonio Domingues Oloriz na Dedicatoria das Vozes Metricas de la fama en aplauso do Excellentissimo Bispo do Algarve D. Ignacio de Santa Tereza. Sevilha, por Diego Lopes de Haro 1741. 4.

Commento ás obras de insigne Luiz de Camoens. 4. M. S.

Epitome da Historia Geral do mundo desde a sua criaçaõ até o tempo presente. fol. M. S.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]