Sor MARIA DA ENCARNAÇAM. Naceo em Lisboa, sendo filha do Senhor de Pancas. Desde os primeiros annos aborreceo o seculo, e amou a Clausura preferindo a do reformado Convento do Santissimo Sacramento de Religiosas Dominicas a dous, em que fizera alguma assistencia. Neste angelico domicilio habitado por espiritos igualmente claros pelo nacimento, que pela observancia se distinguio no excesso das penitencias. Desejava acender o fogo do Amor divino em todos os coraçoens, com aquella actividade em que o seu se abrazava. Para guiar as almas ao caminho da perfeiçaõ evangelica escrevia saudaveis dictames, Valendo-se do genio poetico, de que largamente a ornara a natureza para mais suavemente serem lidos, como tambem em prosa, onde se via profundamente explicados lugares difficultosos da sagrada Escritura movendo-lhe a penna impulso superior com que penetrava sem instuçaõ das Sciencias reconditos mysterios. Ao tempo da sua morte testemunharaõ muitas Religiosas voar sobre a sua Cella hum globo de fogo, que foy visto dos visinhos do Convento imaginando que se abrazava, em cuja lavareda se transferio o seu espirito ao centro das felicidades eternas a 2 de Agosto de 1692. Desta insigne religiosa fazem memoria Fr. Luc. de S. Cather. Hist. de S. Dom. da Prov. de Portug. Part. 4. liv. 3. cap. 44. e Theatr. Heroin. Tom. 2. p. 254.

Compoz

Rimas Sagradas. M. S.

Explicaçaõ de alguns lugares da sagrada Escritura M. S.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]