NICOLAO DE BRITO BOTELHO Cavalleiro da Ordem de Christo, e moço fidalgo da Casa Real, naceo em a Cidade de Evora a 29 de Janeiro de 1683 sendo filho de Sebastiaõ de Brito Botelho Fidalgo da Casa Real, e de D. Francisca Tereza de Sepulveda de igual nobreza á de seu Consorte. Desde a adolecencia foy inclinado á investigaçaõ de antiguidades historicas, e crecendo com a idade esta aplicaçaõ recopilou em treze volumes álem de quarenta cadernos, que existem sem encadernaçaõ em poder de seu cunhado Joaõ de Brito Botelho, de quem se fez mençaõ no 2. Tomo desta Bibliotheca pag. 615. col. 2. todas as causas Civeis que se moveraõ nas Cidades de Evora, Béja, e Villa de Aviz; as doaçoens, e obrigaçoens dos Conventos extrahidas dos seus Cartorios, como tambem das Cameras, e Casas da Misericordia, instituições de morgados serie de descendencias, e outras noticias concernentes á illustraçaõ da Historia, e Genealogia Portugueza. Pella qualidade do seu foro, e ser descendente de Familia Senatoria da Cidade de Evora, foy Vereador, e servia de Juiz de fóra quando fez a sua publica entrada a 8 de Setembro de 1741 o Excellentissimo Arcebispo D. Fr. Miguel de Tavora, a quem congratulou á porta da Cidade chamada da Alagoa, com huma elegante Oraçaõ. Foy acerrimo defensor dos privilegios do Senado da sua patria, passando muitas vezes á sua despeza a tratar dos negocios em que era interessado. A o tempo que estava erigindo huma sumptuosa Capella dedicada á Conceiçaõ da Senhora em a Torre das Areas no Ervedal termo de Aviz morgado principal entre outros da sua Casa o assaltou na cabeça huma Erysipela maligna, que o privou da vida a ,6 de Setembro de 1743, quando contava 60 annos de idade. Foy sepultado com geral sentimento no ambito da Capella antiga, que estava incluida em a nova que fabricava. Casou em 18 de Dezembro de 1717 com sua Prima D. Filippa Margarida de Brito, e Goyos filha de Luiz Lobo da Gama, e D. Margarida Filippa de Brito, de quem naõ teve sucessaõ. Dos documentos que

tinha colhido o seu incansavel disvelo, escreveo o seguinte volume no anno de 1712.

Breves noticias das grandezas da Cidade de Evora, fundaçoens dos Conventos, e Igrejas, Irmandades, fórma de seu governo, e izençoens, liberdades, e privilegios de que goza. Illustrada com as noticias antigas, e modernas, e fórma das Instituiçoens dos Morgados, e Capellas que nella se erigiraõ, assim no modo de suceder, como das fazendas, que lhe saõ unidas, obrigaçoens de Missas, e outras pias obras, que pelos testadores foraõ deixadas. fol. M. S.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]