MIGUEL DE MOURA, naceo em Lisboa a 4 de Novembro de 1538, sendo filho de Manoel de Moura de Sampayo, Escrivaõ da Camera de Béja, e depois da Fazenda Real, e de sua mulher Brites Gomes Teixeira dos quaes experimentando a orfandade, quando contava 14 annos de idade o chamou para sua casa D. Antonio de Ataide I. Conde da Castanheira, e o introduzio ja sciente da lingoa Latina, em o Palacio delRey D. Joaõ III. de quem era Valido, onde foy moço Fidalgo, e lhe passou carta o mesmo Principe de Escrivaõ de sua Fazenda. Igualmente foy aceito pela sua prudente capacidade á Rainha D. Catherina, e seu Neto ElRey D. Sebastiaõ, nomeando-o seu Secretario de Estado, e Escrivaõ da Puridade sómente no exercicio, de que se lhe naõ passou Carta. Das duas vezes que este Principe passou a Africa se valeo da sua judiciosa prudencia mandando-o a Cascaes na primeira, a dizer ao Cardeal D. Henrique administrasse o Reino na sua ausencia, e na segunda, deixando-o com voto no Conselho de Estado, e com a chave do cofre em que se guardava o Sello Real. Entre as pessoas, que elegeo para a jornada de Guadalupe, em o anno de 1576 foy elle confiando sempre do seu talento os negocios mais importantes da Monarchia. Resoluto Filippe a entrar em Portugal como sucessor da Coroa Portugueza o mandou chamar a Badajoz, e o fez seu Conselheiro de Estado, e Escrivaõ da Puridade por carta passada a 15 de Dezembro de 1582, como tambem Governador do Reino juntamente com o Arcebispo de Lisboa, e Pedro de Alcaçova Carneiro Conde de Idanha, quando deixou a administraçaõ de taõ grande lugar o Archiduque Cardeal Alberto. Para eterno monumento de gratificaçaõ a Deos, e a sua Mãy Santissima de ter conservado a vida a sua mulher Brites da Costa fatalmente oprimida de baixo das casas em que habitava derrubadas pelo impulso da polvora no anno de 1576, edificou no lugar de Sacavem distante duas legoas para o Oriente de Lisboa o Convento de N. S. dos Martyres de Religiosas Capuchas da Ordem de S. Francisco, dandolhe faculdade para esta Fundaçaõ ElRey D. Sebastiaõ a 8 de Dezembro de 1577. Falleceo em Lisboa a 30 de Dezembro de 1600, quando contava 62 annos de idade, e jaz sepultado com sua Consorte no Convento que edificara. Fazem memoria do seu nome Carvalho Corog. Portug. Tom. 3. p.595. Fr. Agostinho de S. Maria Sact. Marian. Tom. 1. Tit. 1. e 21. Cardoso Agiol. Lusit. Tom. 1. p. 451. e Tom. 2. p. 309. Santos Hist. Sebast. liv. 2. cap. 22. Escreveo com igual modestia, que discriçaõ

Vida de Miguel de Moura.

Começa. Seguindo o exemplo de alguns homens (inda que poucos) Christaõs, prudentes, e honrados que deixaraõ papeis do discurso da sua vida, porey neste algumas cousas, que se lembrarem da minha. Principiou a escrevella em Sacavem a 28 de Junho de 1594, e a acabou a 17 de Março de 1599. Conserva-se M. S. em 4. na Livraria do Excellentissimo Conde de Castello- Melhor.

Relaçaõ da Fundaçaõ do Convento de N. S. dos Martyres de Religiosas, da primeira regra de S. Clara, situado no lugar de Sacavem fundaçaõ sua. 4. M. S. Conservo hum treslado desta Relaçaõ. Começa

Pareceume obrigaçaõ minha por serviço de N. Senhor, &c. Dos beneficios, que recebera de Deos. Deste papel faz elle mençaõ na sua vida, o qual diz elle se achará no seu Testamento.

Homilias sobre os Evangelhos. M. S. Desta obra o faz Author Manoel de Faria e Sousa, e que as conferira com o Doutor Gabriel da Costa Lente da Sagrada Escritura em a Universidade de Coimbra.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]