D. Fr. MIGUEL RANGEL, natural da Villa de Aveiro do Bispado de Coimbra. onde foraõ seus Progenitores Matheos Fernandes Rangel, e Antonia Dias. Com judiciosa eleiçaõ abraçou o instituto da preclarissima Ordem dos Prégadores em o Convento patrio a 14 de Outubro de 1588, e professou solemnemente a 18 do dito mez do anno seguinte. Distinguio-se dos seus domesticos assim na observancia da regra, como na capacidade do talento com que penetrou as difficuldades da Theologia, e sagrada Escritura, da qual foy Lente muitos annos. Conhecida pelos Superiores a madureza do seu juizo o elegeraõ no anno de 1614 Vigario Geral da Congregaçaõ da India, onde o seu zelo converteo muitos idolatras ao conhecimento do verdadeiro Deos, principalmente nas Ilhas de Solor, e acompanhou em diversas emprezas militares ao famoso Governador do Estado da India Nuno Alvares Botelho animando cõ hum Crucifixo na maõ aos nossos Soldados na batalha, que se alcançou dos Olandezes em o anno de 1629. Como os seus merecimentos excedessem o numero dos seus annos o nomeou Bispo de Cochim Filippe III. em cuja dignidade foy confirmado pela Santidade de Urbano VIII. A 10 de Novembro de 1631. Com mayor disvelo se empenhou depois de Bispo em a conversaõ da Gentilidade, naõ perdoando ao menor instante de tempo que naõ gastasse em beneficio daquellas almas, que viviaõ sepultadas no abismo da sua lamentavel cegueira. Naõ deu menores argumentos de prudencia, e fidelidade, quando nos annos de 1634, e 1636 governou o Arcebispado de Goa, por fallecer a 4 de Junho de 1633 no Cabo de Boa Esperança D. Fr. Manoel Telles Barreto da Ordem dos Prégadores Arcebispo Primaz do Oriente. Tendo praticado todas as virtudes dignas de hum Prelado vigilante falleceo piamente em Cochim depois do anno de 1645, em que assistio á morte do Irmaõ Pedro de Basto da Companhia de Jesus, e naõ em 1644, como escreve Fr. Pedro Monteiro Claust. Dom. Tom. 1. p.56. Foraõ transferidos os seus ossos pelos Religiosos Franciscanos da Provincia de S. Thomé para Goa admirando todos incorrupta a maõ direita com que distribuhia as esmolas. Jaz no Convento de S. Domingos de Goa, onde fundara o de Santa Barbara, em que plantou a primitiva observancia do Instituto Dominicano. Fazem honorifica memoria do seu Nome Faria Asia Portug. Tom. 3. Part. 4. cap.15. n.7. Fr. Jacinto de Deos Verg. de Plant. e Flor. cap. 7. art. 4. p. 376. Sousa Hist. de S. Dom. da Prov. de Portug. Part. 3. liv. 4. cap. 12. Queirós Vid. do Irm,. Pedro de Bast. Liv. 5. Cap. 10. 17. E 18. Fr. Agostinho de S. Maria Hist. do Conv. de S. Mon. de Goa. liv. 2. cap. 5. e seg. Sousa Cathalog. dos Bisp. de Cochim. Monteiro Claustr. Dom. liv. 1. p. 56. e Tom. 3. p. 287. Fontana Monum . Dominic. ad ann. 1631. Joaõ Miguel Galleria p. 592. n. 84. Compoz

Memorial a ElRey acerca das Missoens do Oriente, que nelle faziaõ os Religiosos da Ordem de S. Domingos. fol. Naõ tem lugar da Impressaõ. Consta de 8. paginas.

Memorial a ElRey sobre a mesma materia. Lisboa, por Giraldo da Vinha. 1624. fol.

Relaçaõ das Christandades, e Ilhas de Solor, e particularmente da Fortaleza, que para amparo dellas foy feita. Lisboa, por Lourenço Crasbeeck. 1635. 4. Sahio com as Relaçoens do Oriente de Fr. Antonio da Encarnaçaõ Dominico, do qual se fez larga mençaõ em seu lugar. Consta de 7 Capitulos.

Reposta a huma petiçaõ do Senado de Goa em que mostra naõ deverem ser obrigadas as Religiosas de S. Monica de Goa de que era Prelado assinar em huma Escritura, &c. Sahio na Hist. do Mosteiro de S. Monica, escrita por Fr. Agostinho de S. Maria liv. 2. cap. 10.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]