D. PEDRO DA COSTA, natural do Porto, e filho de Joaõ Dias. Depois, que na patria se instruio na lingoa latina, e letras humanas passou á Universidade de Coimbra, onde aplicado ao estudo da sagrada Theologia sahio taõ eminente nesta Faculdade, que a dictou publicamente com aplauso dos Cathedraticos. Sendo admitido a Collegial do Collegio de S. Pedro a 3 de Novembro de 1590, foy Chantre da Cathedral de Coimbra, donde passou a Conego Magistral da Sé de Evora provido em 6 de Agosto de 1612, e Inquisidor da Inquisiçaõ de Lisboa de que tomou posse a 2 de Outubro de 1621. Ultimamente pelos seus merecimentos subio á Cadeira Episcopal da Cidade de Angra Capital da Ilha Terceira, onde entrou a 24 de Agosto de 1623. Ao tempo que andava visitando a sua Diocese falleceo na Ilha de S. Miguel a 9 de Setembro de 1625. Jaz sepultado na Igreja Matriz de S. Sebastiaõ da Cidade de Ponte Delgada. Delle fazem honorifica memoria Joan. Soar. de Brito Theatr. Lusit. Litter. lit. P. n. 25. intitulandoo Vir doctrina conspicuus. Sousa Cathal. dos Bisp. de Ang. n. II. e o Doutor Manoel Pereira da Sylva Leal Cathal. dos Colleg. de S. Pedro. n. 27. Compoz

Commentarii in primam partem D. Thomae. fol. M. S. Desta obra faz mençaõ Joaõ Soares de Brito no lugar assima allegado dizendo que imprimira Sermoens, que naõ chegaraõ á minha noticia.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]