Fr. PEDRO DE MELLO, ou FRAGOSO, naceo em a Cidade de Lisboa, sendo filho do Doutor Braz Fragoso Dezembargador da Casa da Suplicaçaõ, e de sua Consorte D. Maria de Mello. Recebeo o habito de Carmelita Calçado no Convento patrio a 4 de Novembro de 1591 porêm como abraçasse o instituto religioso contra a vontade de sua Mãy persuadido das suas affectuosas instancias o largou por assistir em sua companhia, porêm considerando atentamente que devia seguir a sua primeira vocaçaõ foy admitido novamente no habito que lhe mandou lançar o Provincial Fr. Antonio do Espirito Santo em o Convento de Evora em o anno de 1594 professando solemnemente em o seguinte. Estudou Artes no Convento de Lisboa, e Theologia em o Collegio de Coimbra sahindo bom Letrado, e excellente Prégador. Foy Prior do Convento de S. Romaõ, junto da Villa de Alverca; primeiro Definidor no Capitulo celebrado no anno de 1631, e Vigario do Provincial Fr. Martinho Moniz quando no anno de 1634 foy eleito segunda vez Provincial. A sua deligencia se deve a ampliação da Ordem Terceira convocando como seu Comissario as principaes Pessoas da Corte de hum, e outro sexo para se dedicarem ao obzequio de MARIA Santissima. Constando ao Serenissimo Senhor D. Joaõ VIII. Duque de Bragança, que depois subio ao Trono de Portugal da nova ereçaõ da Ordem Terceira no Convento de Lisboa lhe insinuou quizesse chegar a Villa-Viçosa para lhe lançar o habito, e a seus dous Irmaõs D. Duarte, e D. Alexandre. Obedeceo com summo gosto a esta insinuaçaõ, e sendo recebido benevolamente pelo Serenissimo Duque, e seus Irmaõs lhes lançou o habito na Capella Ducal precedendo a este acto huma practica, que como dictada pelo seu espirito edificou a todos os circunstantes. Restituido a Lisboa continuou nos exercicios espirituaes que practicara pelo discurso da sua vida até chegar o termo de receber o premio a 9 de Junho de 1635 em que falleceo, quando contava 68 annos de idade. Ao outavo dia da sua morte lhe dedicaraõ sumptuosas exequias os Irmaõs Terceiros dos quaes fora primeiro Comissario, e recitou a Oraçaõ funebre Fr. Matheus de S. Alberto, que lhe sucedeo neste ministerio. Delle se lembraõ Cardoso Agiol. Lusit. Tom. 3. pag. 610, e no Comment. de 9. de Junho letr. D. Nicol. Ant. Bib. Hisp. Tom. 2. pag. 173. col. 2. Carvalho Corog. Portug. Tom. 3. liv. 2. Trat. 8. cap. 47. pag. 631. Fr. Daniel à Virg. Mar. Specul. Carmel. Part. 2. pag. 1081. §. 3794 e Fr. Manoel de Sá Mem. Hist. dos Escrit. da Prov. de Portug. pag. 441. e seguintes. Escreveo

Relaçaõ Summaria da vida, morte, milagres, e Canonisaçaõ de S. Carlos Borromeo Cardial, e Arcebispo de Milaõ tirada dos Processos authenticos desta Causa de Monsenhor Francisco Penia, acrecentado hum exercicio quotidiano da vida espiritual ensinado pelo mesmo Santo. Traduzido tudo da lingoa Toscana em Portuguez. Lisboa por Pedro Crasbeeck 1616. 4.

Regra, e modo de vida dos Irmaõs Terceiros da Terceira Ordem de Nossa Senhora do Monte do Carmo tirada da Regra, e Constituiçoens da mesma Ordem segundo o Breve de Xisto IV. Lisboa pelo dito Impressor. 1630. 8.

Coroa de Nossa Senhora repartida pelos Mysterios da vida e morte de JESUS MARIA JOZÉ pela ordem que nelles houve para se meditarem, e se rezar huma Ave Maria a cada hum delles. Sahio no fim do livro intitulado Vidas dos Santos Martyres, Confessores, e Virgens da Sagrada Ordem de Nossa Senhora do Monte do Carmo compostas por Fr. Manoel Ferreira Carmelita. Lisboa por Antonio Alvres 1645. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]