Fr. SALVADOR CORREA DE SÁ, Naceo em Lisboa, onde teve por Prognitores a Diogo Correa de Sá II. Visconde de Asseca, e D. Ignez de Alencastre, filha de Luiz Cesar de Menezes Alferes mór do Reino, e de D. Marianna de Lancastre filha de D. Rodrigo de Lancastre Comendador de Coruche. Com heroica resoluçaõ abraçou o instituto do Doutor Maximo S. Jeronymo professando solemnemente em o Real Convento de Santa MARIA de Belem a 25 de Agosto de 1717, onde estudadas as sciencias escolasticas com disvelo, as dictou aos seus domesticos com tanto aplauso que mereceo ser laureado Doutor em Theologia pela Universidade de Coimbra, e depois Qualificador do Santo Officio, Examinador Synodal do Patriarcado de Lisboa, e das Tres Ordens Militares, Consultor da Bulla, e Academico da Academia Real. O mesmo genio, que lhe concedeo a natureza para as sciencias severas, exercitou felizmente nas amenas, sendo eloquente Orador, e elegante Poeta. Tendo administrado com satisfaçaõ dos subditos o lugar de Reitor de Coimbra subio ao de Geral da sua Congregaçaõ a 16 de Abril de 1742, no qual se admiraraõ em perfeito equilibrio a prudencia do seu talento, e a candura do seu coraçaõ. Publicou

Glossa ao Soneto, que seu Pay o Visconde de Asseca fez á morte da Serenissima Senhora D. Francisca Infanta de Portugal que começa.

Aqui se oculta nesta sombra escura, &c.

Sahio nos Accentos Saudosos das Musas Portuguezas. Part. 2. Lisboa por Antonio Isidoro da Fonseca. 1736. 4.

Sermaõ na solemnidade com que tomou o veo de professa a Madre Maria Gracia do Sacramento religiosa no Convento das Carmelitas Descalsas de Santo Alberto da Cidade de Lisboa, filha dos Viscondes de Asseca assistindo áquelle acto a Rainha N. S. e a Serenissima Princeza do Brasil. Lisboa, por Miguel Rodrigues Impressor do Eminentissimo Senhor Patriarcha 1738. 4.

Soneto á morte delRey D. Joaõ V. Sahio na Collec. dos Acad. Ocult. a pag. 14. Lisboa por Manoel Soares Vivas 1750. 4.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]