Adolpho Bezerra de Menezes – Natural da provincia do Ceara, nasceu no Riacho do Sangue a 29 de agosto de 1831, sendo seus paes o capitão de antigas milicias e tenente-coronel da guarda nacional Antonio Bezerra de Menezes e dona Fabiana de Jesus Maria Bezerra; fez o curso de medicina na faculdade do Rio de Janeiro, onde doutorou-se em 1856, tendo servido como interno no hospital da misericordia antes de sua formatura, e apresentou-se depois, em 1858, ao concurso a uma vaga de lente substituto da secção cirurgica.

Sendo segundo cirurgião do corpo de saude do exercito, foi eleito vereador da camara municipal da côrte; e como fosse julgado incompatível o exercicio do cargo de vereador com o de medico militar, pediu deste demissão.

Serviu na camara municipal, por eleições consecutivas, ou como supplente cerca de 20 annos; foi della presidente; representou o municipio neutro, e a provincia do Rio de Janeiro na assemblea geral legislativa, e sendo deputado em 1880 foi seu nome apresentado á corôa por eleição feita em sua provincia para senador do imperio.

Foi presidente da companhia ferro-carril do S. Christováo ; é membro titular da academia imperial de medicina, socio da sociedade physico-chimica, da sociedade propagadora das bellas-artes, da sociedade auxiliadora da industria nacional, da sociedade geographica de Lisboa, etc.

Escreveu:

– Diagnostico do cancro: dissertação inaugural. Rio de Janeiro, 1856 – É precedida de proposições acerca dos aneurismas externos e das causas da phthisica pulmonar no Rio de Janeiro.

– Das operações reclamadas pelos estreitamentos da uretra: these para o concurso a uma cadeira de oppositor da secção cirurgica da faculdade de medicina, Rio de Janeiro, 1858 – É seguida de algumas proposições sobre as materias de que se compõe o ensino medico.

– Biographia do Visconde de Uruguay, Paulino José Soares de Souza – Vem no primeiro volume da galeria dos brazileiros illustres.

Biographia do Visconde de Caravellas, Manoel Alves Branco – Idem:

– A, escravidão no Brazil e medidas que convem tomar para extinguil-a sem damno para a nação. Rio de Janeiro, 1869.

– Breves considerações sobre as sêccas do norte. Rio de Janeiro, 1877, in-8.º

O doutor Bezerra de Menezes redigiu:

– A Sentinella da liberdade: orgão liberal. Rio de Janeiro, 1869 e 1870.

 

[Augusto Victorino Alves Sacramento Blake, Diccionario Bibliografico Brazileiro, vol. 1]