Fr. SIMAÕ DE BRITO, naceo na Villa de Setubal a 5 de Janeiro de 1676, sendo filho de Pedro Carvalho da Costa, e D. Maria de Brito, que depois de Viuva professou o Serafico instituto no Convento de Santa Clara de Lisboa. Instruido nas letras humanas se dedicou a Deos recebendo o habito da illustre Ordem da Santissima Trindade no Convento de Lisboa a 7 de Setembro de 1693, e professou solemnemente a 12 de Setembro do anno seguinte. Vencida a carreira dos estudos escolasticos dictou Theologia Moral aos seus domesticos. Como era elegante na fraze, e profundo nos discursos conciliou grande aplauso no ministerio concionatorio, por cuja cauza foy nomeado Prégador Geral do numero da Provincia. A ardente charidade em que se abrazava de resgatar os Cativos, illustre empreza do instituto, que professava, o constituio naõ sómente tres vezes Procurador Geral delles, mas fazer sinco redempçoens com desprezo da propria vida, sendo a primeira no anno de 1718 para Mequines, a qual se frustrou pela infidelidade de Muley Ismael. A segunda para Argel no anno de 1720. A terceira no anno de 1726. A quarta em 1731 em a mesma Cidade. A quinta em Mequines no anno de 1735 libertando nestas redempçoens a outocentas, e quarenta e sinco Pessoas da barbara tyrania dos infieis. Os seus merecimentos lhe adquiriraõ os lugares de Chronista da Ordem, Ministro do Convento de Nossa Senhora do Livramento, Definidor, e Provincial nomeado, e Consultor da Bulla da Cruzada. Teve aspecto grave, coraçaõ generoso, e genio summamente urbano. Falleceo no Convento de Lisboa a 5 de Mayo de 1739, quando contava 63 annos de idade, e 45 de Religiaõ.

Compoz

Declamaçaõ Evangelica, funebre, e Panegyrica na morte do Illustrissimo e Reverendissimo Senhor D. Manoel Caetano de Sousa Clerigo Regular do Conselho de Sua Magestade Procomissario da Bulla da Santa Cruzada, Mestre na sagrada Theologia, Examinador das Ordens Militares, Instituidor, e Censor da Real Academia da Historia Portuguesa. Lisboa por Antonio Pedrozo Galraõ 1735. 4.

Chronica da Ordem da Santissima Trindade nesta Provincia de Portugal. fol. M. S.

Cathalogo dos Arcebispos, e Bispos Trinitarios do Reino de Portugal. fol. M. S.

Cathalogo dos Varoens, e mulheres illustres em santidade filhos da Provincia de Portugal. fol. M. S.

Dissertaçaõ em que se mostra naõ ser Portuguez S. Joaõ da Matta, como alguns se persuadiraõ equivocados com este apellido. fol. M. S.

Descripçaõ do Convento da Santissima Trindade de Lisboa. M. S.

Incremento Trinitario, e Tratado Chronologico da Terceira, e Venerarel Ordem da Redempçaõ dos Cativos, illustre confraternidade do sagrado Bentinho, e piedosa Congregaçaõ de Nossa Senhora do Remedio com as noticias mais certas dos resgates antigos, e modernos; Principio, e fim da Ordem militar da Redempçaõ: Vidas dos Santos Patriarchas Joaõ, e Felis, Santos, e Varoens illustres da Ordem Terceira; graças, e privilegios da mesma Ordem; Milagres do Bentinho, e castigo, dos que temerariamente o deixaraõ. Memoria dos Irmaõs, e Confrades de mayor respeito em dignidade, religiaõ, e nobreza, e copiosos frutos da Redempçaõ de Cativos na Provincia de Portugal. fol. M. S.

Relaçaõ da sua jornada a Mequines. M. S. He muito difusa.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]