Fr. LOPO CARDOSO natural de Lisboa onde recebeo o habito da preclarissima Ordem dos Pregadores sendo hum dos mais zelozos operarios, que cultivaraõ a agreste vinha do Reyno de Camboa situado á parte Oriental da India na  contra costa da ponta que fazem ao mar os Reynos de Bengala e Pegù entre a Cochinchina, e os Reynos de Siaõ, e Chiapà para o qual foy chamado de Malaca pelo seu Principe. Com igual zelo, e brevidade partio acompanhado de Fr. Joaõ Madeira, e como tinha ocupado os lugares dos Conventos de Chaul, e de Malaca, e Vigario da Christandade de Solor foy recebido com honorificas distinçoens por ElRey, que benevolamente lhe concedeo faculdade para levantar Igreja, e instruir aos seus Vassalos nos dogmas da Religiaõ Christãa. Toda esta felicidade se alterou com a morte delRey sucedendo-lhe seu filho em idade juvenil o qual persuadido pelos Sacerdotes Gentilicos lhe impedio continuar os seus apostolicos ministerios. Depois de tolerar com heroica constancia prizoens, fomes e sedes em obzequio da conversaõ da gentilidade se restituhio a Goa donde foy mandado descansar da sua laboriosa vida à sombra de N. Senhora dos Remedios titular do Convento de Baçaim no qual residio alguns mezes augmentando com sua industria a caza, e edificando com a sua virtude a todos que a frequentavaõ. Sendo Prior do Convento de Cochim foy votar ao Capitulo, que se celebrava em Goa onde falleceo a 3. de Junho de 1570. com evidentes sinaes de Predestinado. Delle se lembraõ com elogios Fr. Luiz de Souza Hist. de S. Domingos da Prov. de Portug. Part. 1. liv. 3. cap. 32. e Part. 3. liv. 5. cap. 1. Cardozo Agiol. Lusit. Tom. 1. p. 21. Fernand. Concert. Praed. pag. 291. Santos Etiop. Orient. Part. 2. liv. 2. cap. 7. Lopes Chron. da Ord. Part. 4. cap. 37. Escreveo.

Carta de novas do Reyno de Camboa, da sua entrada, que teve na terra, e de como foy recebido pelo seu Rey fol. M. S. Conservase na Livraria do Excellentissimo Marquez de Abrantes onde a vimos.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]