D. Fr. LOURENÇO GARRO natural da Villa de Thomar onde no Real Convento da Ordem militar de Christo abraçou o seu instituto para ser exemplar dos seus domesticos. Depois de dictar com aplauzo as sciencias severas de cujo magisterio sahiraõ discipulos que lhe serviraõ de immortal credito, foy Provedor do Hospital de N. Senhora da Luz edificado pela Serenissima Infanta Dona Maria filha do Augustissimo Rey D. Manoel, Vizitador Geral da Ordem, e D. Prior Geral em o anno de 1613. Sendo assumpto ao Bispado de Cabo Verde em 1627. exercitou como vigilante Pastor as suas obrigaçoens. Sospeitando as suas ovelhas que se auzentava para Portugal sahiraõ fora da Cidade pedindo-lhe com copiosas lagrimas as naõ dezemparasse. Falleceo com summa piedade em o primeiro de Novembro de 1646. quando excedia a provecta idade de 90. annos. Jaz sepultado na Igreja de N. Senhora do Rosario por naõ estar acabada a Cathedral, devendo gravarse no epitafio tres muitos que na sua pessoa se admiráraõ unidos. Muito pobre. Muito Santo. Muito Velho. Delle fazem elogios Fr. Thom. de Faria Decad. I. liv. 9. cap. 1. Vir omni Ecclesiastico dignus honore in quo sic virtus cum scientia de primatu contendit, ut neutra prima sit, neutra alteri secunda. Cardos. Agiol. Lusit. Tom. 2. pag. 151. Joan. Soar. de Brit. Theatr. Lusit. Litt. Lit. L. n. 4. Souza Cathal. do Bisp. de Cabo Verde. Compoz.

Isagoge moral em materia de Sacramentos tirada de graves Authores. No fim escreveo tres Questoens sendo a 1. Utrum saltem pueri, qui cum solo Originali decesserunt sint aliquando ascensuri, ac super terram habitaturi? 2. Qualis sit futura resurrectio impiorum? 3. Utrum damnatis eligibilius sit esse, quam esse in illa perpetua miseria? Lisboa por Pedro Crasbeeck. 1620. 8. ibi pelo dito Impressor 1625. 8. ibi. por Paulo Crasbeeck. 1633. 8. Coimbra por Manoel Carvalho 1639. 8. Lisboa por Manoel da Sylva 1643. 8. & ibi por Henrique Valente de Oliveira 1656. 8. Coimbra pela Viuva de Manoel de Carvalho Impressor da Universidade 1668. e Lisboa por Henrique Valente de Oliveira 1676. 8.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]