Fr. THOMAZ DE S. CYRILLO, natural de Lisboa, e filho de Joaõ Ferreira, cuja companhia deixou buscando por especial vocaçaõ de Deos o austero Claustro dos Carmelitas Descalços, onde recebeo o habito no Convento de Cascaes a 4 de Março de 1597, quando contava 29 annos de idade. Nesta virtuosa palestra fez tantos progressos nas virtudes, como nas letras. Por ser ornado de summa capacidade, e talento maduro ocupou os lugares de Prior de Evora duas vezes, e outras tantas Reitor de Coimbra, onde foy Lente da sagrada Escritura, Prior de Figueiró, e ultimamente Provincial eleito no anno de 1640 em que felizmente se aclamou o Restaurador de Portugal D. Joaõ IV., de cuja heroica acçaõ sendo consultado pelos quarenta libertadores da patria os animou a taõ famosa empreza por ser conforme á vontade divina. Foy Fundador, e primeiro Vigario do Busaco lançando-lhe os fundamentos no anno de 1628, onde os Anacoretas desta Thebaida Portugueza saõ emulos dos Paulos, Hilaroens, e Arsenios nas austeridades com que reduzem o corpo ás leys do espirito. Tolerada com heroica paciencia huma penosa enfermidade por tres annos passou a lograr o premio eterno em o Convento de Lisboa a 25 de Janeiro de 1652, quando contava 84 annos de idade, e 56 de Religiaõ. Do seu nome fazem honorifica memoria Fr. Belchior de Santa Anna  Chron. dos Carm. Desc. da Prov. de Portug. Part. I. liv. 2. cap. 38. n. 507. e cap. 46. n. 547. e liv. 3. n. 603. e cap. 7. n. 627. e cap. 14. n. 664. 669. e 691. cap. 38. n. 765. Fr. Joaõ do Sacramento Part. 2. da dita Chron. liv. 4. cap. 12. n. 103. liv. 5. cap. 47. n. 719. Fr. Jozé de Santa Tereza Chron. General. de Carm. Descals. Part. 3. liv. 11. cap. 25. n. 6. Part. 4. liv. 18. cap. 40. n. 25. Fr. Martial a D. Joann. Bib. Carm. Excals. p. 409. Joan. Soar. de Brito Theatr. Lusit. Litter. lit. T. n. 7. Hallevord. Bib. Curiosa p. 3 38. col. 2. Nicol. Ant. Bib. Hisp. Tom. 1. p. 3 20 col. 1. Chamando-lhe Francisco, de cuja equivocaçaõ se retratou no Tom. 2. pag. 680. col. 2. No tempo que explicava em o Collegio de Coimbra a Escritura sagrada tomou por empreza as tres parabolas do Evangelho, das quaes sómente publicou a seguinte com este titulo

Gloria Matris Ecclesiae ex consideratione cap. xv. secumdum Lucam, scilicet in ove deperdita, hoc est Peccatore, ad ovile reducenda. Segobiae apud Didacum Dias de la Carrera 1637. fol.

Sermaõ no Auto da Fé, que se celebrou era a Cidade de Lisboa no Terreiro do Paço na terceira Dominga de Quaresma a 11 de Março de 1640. Lisboa por Jorge Rodrigues. 1641. 4.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]