D. Fr. VALERIO DE S. RAYMUNDO, chamado no seculo Valerio Gomes, natural da Villa de Estremoz em a Provincia Transtagana, onde teve por Progenitores a Manoel Gomes, e Maria Vellada. Professou o sagrado instituto da illustrissima Ordem de S. Domingos em o Convento de Evora a 16 de Janeiro de 1636 para ser glorioso ornato, naõ sómente da Provincia de Portugal, mas de toda a Religiaõ Dominicana. Nas sciencias escolasticas fez tal progresso o seu grande talento, que ninguem pode competir, e muito menos exceder a profunda subtileza do seu juizo, ou fosse presidindo, ou arguemntando. Depois de obter o lugar de Mestre da Ordem pela liçaõ das faculdades com que instruira aos seus domesticos, e estranhos, foy Deputado das Inquisiçoens de Evora, e de Lisboa, donde subio ao Conselho geral a 28 de Julho de 1675. Foy Prior do Convento de Lisboa, Provincial eleito em o anno de 1675, e Vigario das Religiosas do Convento do Sacramento que he immediato ao Geral. Do emolumento q percebia do lugar de Deputado do Conselho geral do S. Officio, mandou fazer hum Psalterio dividido em dous grandes volumes para uso da Communidade do Convento de Lisboa, cuja Capella mór ornou com algumas pessas de prata, como tambem mandou fabricar as o Principe D. Pedro Regente do Reino á sua grande litteratura ornada de modestia religiosa o nomeou Bispo de Elvas em que foy confirmado pela Santidade de Innocencio XI. a 11 de Janeiro de 1683. No Convento das Religiosas do Sacramento de que era Vigario o sagrou o Illustrissimo Inquisidor Geral D. Verissimo de Lencastro a 10 de Mayo de 1683 sendo assistentes D. Fr. Manoel Pereira Bispo do Rio de Janeiro, e D. Fr. Lourenço de Castro Bispo de Angra ambos alumnos da Sagrada Ordem dos Prégadores. De todas as rendas do Bispado fez depositarias as mãos dos pobres. Para seu jazigo elegeo a Capella do Capitulo do Convento da sua Ordem, situado em a Cidade de Elvas, onde piamente falleceo a 29 de Julho de 1689. Na sua sepultura se lhe gravou o seguinte epitafio.

D. Fr. Valerius a Santo Raimundo in sacra Theologia Magister ex Ordine Praedicatorum cujus olim in hoc Regno Prior Provincialis, Regis supremique Sancti Officii Tribunalis Conciliarius, ac novus Episcopus Elbenis, hoc jussit aedificare Sacellum pro sua, suorumque Fratrum sepultura in quo nullus alius poterit sepultari. Obiit die 29 Julii anno 1689.

Em outra pedra inferior á da Campa em que está escrito o epitafio antecedente se lem estas palavras

Mors omnibus utilis, quiescunt boni, & mortui cessant peccare improbi.

Fazem honorifica mençaõ deste Prelado D. Luiz de Menezes Portug. Restaur. Part. 2. liv. 12. p. 977. o Author do Catastroph. de Portug. p. 236., Carvalho, e Sousa Cathal. dos Bisp. de Elvas. n. 9. Monteiro Cathal. dos Deput. de Evor. n. 74. e de Lisboa n. 99. e do Conselho Geral. n. 63. e no Claust. Domin. Tom. 3. p. 320. e Franc. de S. Maria Diar. Portug. Tom. 2. p. 423. onde errou o dia, e o anno da sua morte.

Publicou

Sermaõ no Auto da Fé, que se celebrou em a Cidade de Evora em 12 de Novembro de 1662. Lisboa por Domingos Carvalho. 1663. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]